Desmistificando o empreendedorismo

O título deste post pode parecer muito duro, ainda mais em tempos em que se valoriza o empreendedorismo – quando ele acontece, na maioria das vezes, por falta de opção.

Muitas vezes, empreender é a sua única escolha. Outras é um sonho. Em todas elas, está longe do glamour que te vendem nos sites sobre o assunto.
Empreender é para os fortes. Mas, sobretudo, para os teimosos. Porque, com tantos percalços no caminho, desistir chega a ser tentador.

Quando comecei, não se falava muito em uma metodologia para negócios. Eu era muito nova e o que consegui nos anos iniciais foi à base do feeling. Não havia as redes sociais, a internet e a rapidez da comunicação que hoje conhecemos. Era como tatear no escuro, e não ter medo do trabalho.

Porém, as coisas foram mudando. Em cada uma das fases da minha vida eu consegui sucesso e derrota. Os tombos foram vários e as puxadas de tapete também. Não fosse minha fé, eu teria seguido outro caminho. Porém, construir uma marca era meu destino, era como se estivesse escrito e eu nunca duvidei disso.

Os dados são reais: 60% das empresas com pouco mais de cinco anos fecham suas portas no Brasil (pesquisa de Demografia das Empresas desenvolvida pelo IBGE).

De acordo com o estudo “Causa Mortis – O sucesso e o fracasso das empresas nos primeiros cinco anos de vida”, realizado pelo Sebrae, os principais motivos de falência são a falta de planejamento, a má gestão empresarial e o despreparo de líderes e executivos.

São muitas as armadilhas escondidas nestes fatores, e nelas incluo sim a má conduta e o oportunismo de pessoas e empresas que, percebendo o potencial de um negócio, começam a trabalhar para extrair dele lucro em benefício próprio. Quando você não tem experiência suficiente, cai em alguns golpes e dificilmente se recupera.

Aí vem a resiliência, que muitos chamam de teimosia. Somente levantando de novo, sem medo de seguir em frente, com a cabeça erguida, é que você levanta. Neste processo, me apoio nos meus valores de sempre: valorizar os trabalhadores, os necessitados, olhando não somente para a frente, mas para os que estão ao nosso lado e os que mais precisam de nós.

Inocência Manoel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s