Sem água, não há vida.

Sem água, não há vida.

Como vocês sabem, o projeto Beleza Solidária Inoar, criado por mim, apoia diversas causas visando auxiliar moradores de comunidades menos favorecidas. São diversos os nossos objetivos, sempre focando na melhoria da condição de vida de centenas de famílias.

Estamos, todos os meses sentando e analisando muitas histórias e de que forma podemos ajudar. No ano passado, fiz uma doação que hoje vejo ter sido fundamental neste projeto, realizada para o Assentamento Nelson Mandela, localizado no município de Iepê, interior paulista.

Em meio a dificuldades com o abastecimento de água no local, Ana Maria Moraes, proprietária do loteamento que abriga 50 famílias, fez um apelo ao Beleza Solidária: foi assim que doamos um novo poço artesiano à propriedade, que antes contava com apenas um reservatório.

De acordo com Ana Maria, algumas famílias do loteamento têm acesso à água; outras não. Ela pediu ajuda ao projeto porque muita gente estava passando necessidade. Tenho uma história de vida com a Ana Maria, e jamais poderia deixar de fazer parte de um momento em que ela e mais de 50 famílias tanto precisaram. Foi por isso que criei o projeto Beleza Solidária: para mudar a história de tanta gente para melhor.

Esta ação alinha-se com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS 1, da erradicação da pobreza, e ODS 6, de água potável e saneamento), propostos pelo Pacto Global da ONU, do qual a Inoar é signatária.

O poço está em funcionamento e, desde sua implantação, todas as famílias que residem nos sítios do loteamento e passavam por dificuldades foram beneficiadas.

Em um momento em que falamos tanto de água, da necessidade de lavar as mãos cada dia mais frequente, sem esse poço, o que seria das famílias?

Em breve teremos uma grande novidade sobre este projeto. Não podemos desanimar, há pessoas que precisam de nós.

Inocência Manoel

O Pacto Global da ONU – por que é tão urgente fazer alguma coisa

O Pacto Global da ONU – por que é tão urgente fazer alguma coisa

Caso você ainda não saiba, em 2015, a ONU propôs ao mundo uma nova agenda de desenvolvimento sustentável para os próximos 15 anos, a chamada Agenda 2030, composta pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Estamos em 2020 e o cenário nunca foi tão desafiador. De acordo com dados apresentados nesta semana em uma reunião de estratégias da Rede Brasil do Pacto Global, estamos 30% abaixo das expectativas de atingir os objetivos.

O que quero dizer com isso? Que o momento é de agir.

Quando decidi assinar este grandioso pacto com a ONU, eu sabia que havia muito a ser feito e que algumas iniciativas implantadas na Inoar já estavam alinhadas com os ODS, por exemplo o projeto Beleza Solidária, fundado por mim.

Esta convicção se mostrou ainda mais acertada quando tive certeza do quanto estes Objetivos, além de serem a nossa real forma de mudar o mundo, são uma poderosa ferramenta para as empresas.

Sempre acreditei nesta responsabilidade que temos, como companhia, de fazer negócios mais sustentáveis, porém vou além: os ODS trazem novos horizontes para que as companhias inovem e alcancem vantagens competitivas. O consumidor hoje é muito mais exigente e sabe o que acontece no mundo. E apenas as empresas alinhadas com a sustentabilidade vão sobreviver – guardem isso que estou falando.

Para quem ainda não conhece, listo abaixo as 17 ODS propostos pela ONU:

Objetivo 1: Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares

Objetivo 2: Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável

Objetivo 3: Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades

Objetivo 4: Assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos

Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas

Objetivo 6: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos.

Objetivo 7: Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos

Objetivo 8: Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos

Objetivo 9: Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação

Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles

Objetivo 11. Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis

Objetivo 12. Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis

Objetivo 13. Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos

Objetivo 14. Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável

Objetivo 15. Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade

Objetivo 16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis

Objetivo 17. Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

Nos próximos posts vou me aprofundar em cada um deles e o que estamos fazendo para avançar nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Não basta escrever, ler ou falar. Temos que agir!
Inocência Manoel

Qual é o seu legado?

Qual é o seu legado?

A palavra legado vem do latim legatus, que por sua vez deriva de legare e significa aquilo que foi doado em lei. Por exemplo, algo que se deixa a alguém que não necessariamente seja seu herdeiro. Legado também pode ser atribuído a uma coisa imaterial. Quando você deixa uma obra, uma criação, algo que influencia a vida de pessoas, isto é um legado.

Quando comecei a trabalhar, era muito nova, mas havia dentro de mim a vontade de fazer algo “infinito”. Tinha poucas oportunidades, mas coragem suficiente para mudar minha própria condição (e a de meus familiares e de tantas outras pessoas). Isso ali ainda não tinha nome. Mas estava dentro de mim.

E entre tantas idas e vindas, foi assim que cheguei até aqui e é assim que continuo criando e desenvolvendo produtos, entre tantos outros projetos que me movem e que compartilho com vocês, aqui no blog ou nas páginas da Inoar.

O que ninguém sabe é a importância que dou para todo este legado. E isso faz uma verdadeira diferença na forma como as pessoas veem a marca. Isso porque elas querem se relacionar com empresas cujas crenças estão baseadas em valores sólidos. Empresas que representam um importante legado tendem a ser mais valorizadas e almejadas do que aquelas que têm um perfil volátil.

Agora segura esta: uma pesquisa recente publicada na revista Harvard Business Review mostrou que empresas que não possuem foco em lucro são as que mais estão lucrando.

O levantamento veio a partir de uma análise de empresas de médio e grande porte e demonstrou que negócios com um propósito maior que simplesmente ganhar dinheiro tiveram seis vezes mais retornos para seus shareholders do que aquelas focadas exclusivamente no lucro.

Quando comecei a criar meus produtos para cabelos, eu não tinha em mente a venda. Eu tinha ali um propósito, que era fazer um produto de melhor qualidade e com menor custo para minhas clientes de salão. Vejam bem que a venda não era o meu principal pensamento, ela era uma consequência.

Nesta época, ainda não se falava em capitalismo consciente, mas eu tinha a clara percepção de que o modelo Wall Street de fazer negócios, só focado em lucro, não duraria para sempre. Hoje temos tecnologia e informação na palma das mãos e estamos sendo testemunhas de como os valores da sociedade estão mudando.

Hoje ninguém faz uma compra inconsciente. E eu não faço um produto sequer no qual eu não acredite com todas as minhas forças. Sem perceber eu sempre estive inserida neste modelo de empreender com propósito.

Nesta trajetória, errei e acertei, mas aprendi com todas as opções. Ter propósito é deixar um legado. E, acima de todas as definições para esta palavra tão forte, para mim ela está relacionada ao próximo. Àqueles que amo, àqueles que trabalham comigo, àqueles que nem me conhecem e me agradecem por um produto.

O valor disso não se mede.

E você? Qual é o seu legado?

Inocência Manoel

2019. Um ano para não deixar nada para trás.

2019. Um ano para não deixar nada para trás.

A cada ano, faço uma pausa para agradecer por tudo o que passei. 2019 foi mais um ano de muitas lutas, algumas que somente os amigos mais próximos conhecem – para estes, meu muito obrigada por ouvir e pelo apoio incondicional de sempre.

O Brasil de 2019 foi uma incógnita no meio de tantas fake news e polarizações políticas que puseram em risco a economia do país e a nossa sanidade, sacudidos por notícias de desemprego suas terríveis consequências para a sociedade.

No meio desse turbilhão, trabalhamos. E como trabalhei! Quando vejo tudo o que passei, agradeço a dádiva de poder ter os pés no chão e muita força para continuar.

Quero fazer com vocês uma retrospectiva com algumas das nossas ações, com o intuito de agradecer a cada uma delas e às pessoas que participaram comigo, no dia a dia, nos bastidores, no suporte, na fé, no carinho, com a mão na massa.

Meu muito obrigada a Deus, por me permitir criar para o próximo e deixar aqui o meu legado.

Novo padrão de embalagens

Logo no início do ano, apresentamos um dos projetos da minha vida: as novas embalagens da Inoar. Fruto de anos de dedicação e estudo, à frente do Marketing, desenvolvemos ao mesmo tempo o Brand Book da marca, e os novos layouts que vocês já devem ter visto nas nossas redes sociais e nas lojas. Muito significativo para mim, cada item do layout tem uma história. E a marca agora tem um padrão e cores próprias. É uma grande realização para um ano que teve tons cinzentos e dias difíceis. Mas saímos dele com um visual bonito, alegre e vivo.

Pacto Global da ONU

Em março, assinei um dos compromissos mais importantes da minha vida: o Pacto Global da ONU. Ele é a maior iniciativa de sustentabilidade empresarial do mundo, convidando empresas a alinharem as estratégias e operações com os princípios universais de direitos humanos, trabalho, meio-ambiente e combate à corrupção, e a tomarem medidas que promovam objetivos sociais.

Tanto a Inoar quanto o projeto social que fundei, o Beleza Solidária, mantêm ações alinhadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, cuja máxima é “não deixar ninguém para trás.”

Por conta do meu apoio, fui convidada para o 4º Fórum Empresarial dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em Nova York. Foram dias de diálogo ao lado de lideranças das mais diversas, como o Cacique Raoni, dirigentes do mundo todo, todos com o mesmo objetivo de lutar por um mundo mais justo.

Projeto Beleza Solidária

2019 foi mais um ano de grandes ações para este projeto, no qual invisto anualmente, por acreditar em seu poder transformador:

Mandela Day na África do Sul – um dia para celebrar a vida de Nelson Mandela e um convite para que as pessoas reflitam sobre a importância de ajudar o próximo. Nossa equipe da África do Sul vem apoiando um time de jovens e crianças no país. Neste ano, uniformizados com as camisas verdes da Inoar, enfrentaram seu primeiro grande jogo.

Bazar Beneficente da ONG Florescer, em Paraisópolis, São Paulo (SP) – Essa importante comunidade de São Paulo abriga a sede da ONG Florescer, associação fundada pela empresária Nadia Bacchi. Em abril, fizemos a doação de kits de cosméticos Inoar para angariar fundos para a reconstrução do local.

Entrega de diplomas do curso “Barbeiro Profissional” na Beauty Fair 2019 – O Beleza Solidária entregou o diploma aos 50 novos formandos do curso de capacitação “Barbeiro Profissional – Nível Básico” deste ano no dia 8 de setembro, durante a Beauty Fair 2019.  Com carga horária de 80 horas, a formação é destinada a homens que desejam atuar no segmento de beleza masculina.

Ação no Lar dos Velhos de Assis (SP) – Em outubro deste ano, o Beleza Solidária realizou uma ação nos Lar dos Velhos de Assis da SSVP. O trabalho levou produtos de beleza e higiene para os velhinhos, possibilitando que o lar de caridade economizasse para oferecer uma qualidade de vida ainda melhor para seus pacientes.

Evento em prol da ONG SOS Pets, em Assis (SP) – Minha paixão pelos animais motiva o apoio a causas relacionadas como a ‘cruelty free’, que se aplica aos produtos de beleza e higiene não testados em animais. No dia 18 de outubro, fizemos a doação de produtos para a realização de sorteios com o objetivo de arrecadar verba para pagamentos de atendimentos já realizados nas clínicas veterinárias a animais de rua e em situação de risco na região de Assis.

Dia da Beleza para pacientes da AVCCA em Assis (SP) – No dia 19 de novembro, o projeto promoveu um “Dia da Beleza” exclusivo para os pacientes da Associação Voluntária de Combate ao Câncer de Assis. Na ocasião, a Inoar contribuiu com produtos da marca para serem utilizados durante o evento, e disponibilizou os profissionais que foram responsáveis pelos procedimentos estéticos. Além disto, no final do evento, todos os pacientes levaram um kit de beleza da Inoar Cosméticos para casa.

Patrocínio da equipe de xadrez de Assis (SP) –  Por meio do projeto Beleza Solidária, patrocinamos o Projeto de Iniciação Esportiva em Xadrez da cidade de Assis (SP) – sustentado pelas Secretarias de Esportes e de Cultura do município, com a doação das 100 camisetas que serão utilizadas pelas crianças participantes do II Campeonato Sul-Americano de Xadrez Escolar. É  uma alegria apoiar um projeto como este, que trabalha com as crianças oferecendo uma experiência que muda significativamente suas vidas.

Doação de poço artesiano para assentamento no município de Iepê (SP) – Recentemente, o Beleza Solidária doou um poço artesiano para o Assentamento Nelson Mandela, localizado no município de Iepê, interior paulista. Em meio a dificuldades com o abastecimento de água no local, Ana Maria Moraes, proprietária do loteamento que abriga 50 famílias, fez um apelo ao Beleza Solidária. A propriedade contava, até então, com apenas um reservatório. Em breve vocês saberão mais detalhes deste projeto, que não acaba aqui.

Prêmios e menções

Por fim, não me baseio em prêmios e em menções, mas eles vieram como reconhecimento de esforço e amor ao que faço:

  • “Diploma Fundação de São Paulo” (Inocência Manoel) ACLASP
  • “Top-100 Achievements” – Inglaterra – Achievements Forum
  • “Prêmio Empresa Brasileira do Ano 2019” pelo Latin American Quality Institute (LAQI).
  • Indicação no Prêmio Época Negócios Reclame AQUI – As Melhores Empresas para o Consumidor 2019
  • Beauty Fair Trends – categoria “Vegan Manes”
  • Beauty Launchpad – Reader’s Choice – Óleo de Argan
  • Best Shampoo – Inoar Go Vegan – Vogue.com

Pode vir 2020.

Temos muito a fazer. E farei.

A transformação de uma empresa é humana

A transformação de uma empresa é humana

Muito se fala de Direitos Humanos, mas você sabe de fato o que isso significa? Ao contrário do que muitos pensam, ou do que algumas fake news insistiram em distorcer, os Direitos Humanos não são exclusivos para proteger alguns tipos de pessoas. Eles são feitos para todo e qualquer ser humano… incluindo eu, você, seu vizinho e o colega de trabalho.

A Declaração dos Direitos Humanos foi assinada em 1948, principalmente depois que os países conseguiram enxergar os horrores da Segunda Guerra Mundial. Naquela época as pessoas e os dirigentes concordaram que era hora de buscar um novo mundo para todos os povos e todas as nações. Novamente: os Direitos Humanos não servem para beneficiar uns e condenar outros, mas sim para garantir direitos fundamentais, como a vida, a liberdade, a saúde e a segurança das pessoas. Ah, e se você ainda acha que os Direitos Humanos são coisa de um pessoal aí, tá precisando se informar. Sugiro ler a redação na íntegra aqui.
Como empresária, acredito que todas as empresas, grandes e pequenas, têm uma responsabilidade independente de respeitar os direitos humanos, não importa como o Estado vem cumprindo suas obrigações (mas é dever pessoal nosso cobrar o Estado também).

Temos a obrigação, por exemplo, de proibir a discriminação contra mulheres, contra grupos étnico-raciais, deficientes, temos a obrigação de assegurar condições dignas aos trabalhadores e vou além: temos o dever de empoderar mulheres, de promover a igualdade de gênero, de combater a corrupção em todas as esferas.

As sociedades se tornam mais fortes, as pessoas se beneficiam de mais oportunidades, dignidade e liberdade, e os negócios vão melhor quando os direitos humanos são respeitados, acredite. A reputação de uma empresa, os seus valores intangíveis fortalecem uma empresa e todo o seu legado.

Cada sementinha que planto como empresária, ao criar produtos, conceito e campanhas leva isso em conta. A árvore da Inoar não pode ser frondosa só para mim, mas para todos que acreditam nas pessoas em primeiro lugar.

“Sem talento você não tem show”

“Sem talento você não tem show”

Conduzir uma empresa é tarefa para poucos. Aquela luz dourada que costumam jogar sobre o empreendedorismo não é bem assim e, na maioria dos seus dias, você vai lidar muito mais com problemas do que com as glórias do negócio.

No fundo, vejo todas as dificuldades como oportunidades, inclusive em um dos momentos mais difíceis para mim como gestora: o momento do desligamento de um colaborador. Não importa se ele foi demitido ou se ele é o demissionário, este é um momento delicado, mas repleto de oportunidades para aprendermos mais sobre nós mesmos, sobre a empresa e sobre as pessoas.

Desenhei cuidadosamente o processo de admissão na Inoar: os entrevistados, não importa em que momento do processo seletivo, recebem nossos kits de produtos, sendo ou não admitidos. Esses procedimentos demonstram de imediato a cultura da empresa. Sempre fiz questão de me envolver, de conversar com todos os nossos colaboradores, estar próxima e eu mesma estabeleci regras que fazem a Inoar diferente e humana.

Então, se no momento de admissão temos este cuidado, por que seria diferente na demissão?

Considero de suma importância a entrevista de desligamento com nossos ex-funcionários. Ela traz informações valiosas para os Recursos Humanos e a empresa como um todo, para a melhoria de processos e estabelecendo a cultura de diálogo, que tanto valorizo. É importante que cada colaborador saiba de sua importância e, principalmente, que ele reconheça em nós uma empresa aberta a ouvir e aprender.

Mais do que isso, a entrevista demissional é estratégica: ela ajuda a reduzir os índices de rotatividade e é uma ferramenta de compliance (a conformidade com as regras de conduta da empresa) para fortalecer a prática do feedback. Ela é, ainda, uma oportunidade para identificarmos problemas muitos sérios que possam estar ocorrendo na empresa, como o assédio moral, ou alguma ação antiética que vá contra os princípios da empresa, ou seja, esse tipo de conversa é uma ferramenta muito poderosa ao enfrentar essas situações.

E vou além: incluir nos processos de gestão de pessoas a entrevista de desligamento é respeitar o significado da palavra “gestão de pessoas”. Isto mostra o nosso comprometimento com as pessoas, o capital humano da empresa.

Muitas vezes consegui reverter situações que não terminaram com uma demissão. Quando eu atuava junto com o RH, conversei com um colaborador que apresentava um problema pontual, pudemos ver juntos os dois lados da situação e descobrimos era apenas uma atividade que estava mal conduzida gerando um ressentimento ou algum tipo de pressão equivocada. E aí precisei agir, acolher, ouvir e dialogar. E o colaborador ficou.

É nisso em que eu acredito: toda situação precisa ser analisada por pessoal competente, que irá fazer uma análise real do que está ocorrendo, porém com dados para entender as motivações da saída, quais pontos da empresa são positivos e quais precisam ser melhorados.

Uma pesquisa da companhia californiana de gestão Korn Ferry aponta que as duas principais causas das taxas de rotatividade nas empresas são problemas com os líderes e falta de oportunidades dentro do ambiente de trabalho. Muitas vezes uma entrevista demissional apresenta exatamente este cenário que pode ser contornado em uma próxima situação: todos aprendem por meio de experiências e dessa forma conseguimos reter talentos, que, afinal, é o melhor recurso de qualquer empresa.

É como diz Gary Burnison, presidente global da Korn Ferry: “Quando se tem pessoas talentosas, você consegue desenvolver qualquer estratégia, enquanto o contrário não é possível. Sem talento você não tem show.”

Co-fundadora da Inoar Cosméticos participa de Fórum na Organização das Nações Unidas

Co-fundadora da Inoar Cosméticos participa de Fórum na Organização das Nações Unidas

Painéis com líderes de diversos setores trouxeram soluções para empresas implementarem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU

Nova York, 25 de setembro de 2019 – O 4º Fórum Empresarial dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) foi realizado em Nova York, no dia 25 de setembro de 2019 e contou com uma plataforma única de múltiplas partes abertas ao diálogo para alcançar os ODS da ONU – promovendo diálogos público-privados, catalisando novas parcerias e alianças e explorando soluções empresariais inovadoras para acelerar o desenvolvimento sustentável.

Inocência Manoel, co-fundadora da Inoar Cosméticos, participou do Fórum, realizado durante a Cúpula dos ODS de 2019 da ONU, que será realizada sob o tema: “Transformando Promessas em Realidade”.

Lise Kingo, diretora executiva do Pacto Global da ONU, e Liu Zhenmin, subsecretária-geral de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, abriram o evento que seguiu com o painel Financiamento Sustentável para 2030, com a participação de Madelyn Antoncic, CEO da Fundação SASB; Sir Suma Chakrabarti, Presidente do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento; Farzanah Chowdhury, diretora executiva da Green Delta Insurance; Alberto De Paoli, Diretor Financeiro da Enel. O painel abordou as ações que  empresas podem criar para integrar de maneira tangível os ODS nos seus processos operacionais, como investidores podem apoiar uma mudança em direção aos modelos de negócios alinhados com a sustentabilidade e como as multinacionais podem ajudar micro, pequenas e médias empresas a financiar seus planos para adoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Seguindo a programação, o painel O Futuro dos Negócios trouxe um cenário de mudanças para os negócios, como as empresas estão incorporando os ODS em suas organizações, como a tecnologia vai transformar a mão de obra e quais são as implicações e como a ação para o clima pode lançar as bases para um mundo mais sustentável. Os participantes foram unânimes em afirmar que é urgente alcançar os objetivos propostos pelo Pacto Global, que é preciso uma mudança de comportamento geral e que ao mesmo tempo em que novas tecnologias surgem a cada dia, é importante pensar no lado humano, em melhores relações de trabalho e no bem-estar das pessoas, na redução do desperdício, na erradicação da fome. O painel teve a participação de Claudia Azevedo, CEO da Sonae; Gamze Cizreli, Sócia Fundadora e CEO da Big Chefs Café e Brasserie; Flora Mutahi, diretora executiva e diretora executiva da Melvin Marsh; e Rose Stuckey Kirk, da Verizon Communications.

O painel “Ambição Escalável” contou com a participação do presidente das Maldivas, Sr. Ibrahim Mohamed Solih; Cyrill Gutsch, Fundador da Parley for the Oceans; Pamela Molina, diretora executiva da Agrolibano; e Kent Walker, vice-presidente sênior de assuntos globais e diretor jurídico do Google. O presidente das Maldivas trouxe à tona a “crise do plástico”, e como o país está comprometido com a busca de novas tecnologias e materiais que reduzam o uso de plásticos. O painel destacou empresas que foram além no cumprimento das metas, como o Google, que vem trabalhando para reduzir a pegada de carbono, com o uso de energia limpa, fornecimento de tecnologia acessível e investimento em inteligência artificial.

Os participantes ainda comentaram sobre as dificuldades de implanta uma cultura de desenvolvimento sustentável em modelos de negócios e Pamela Molina lembrou que a realidade do mundo é ainda de pobreza extrema e do quanto é importante “não deixar ninguém para trás”.

Finalizando o Fórum, John W.H. Denton, Secretário-Geral da Câmara Internacional de Comércio, chamou à plenária o Presidente da Câmara de Comércio Internacional e Vice-Presidente da ONU, Paul Polman. Sem dúvida nenhuma, o discurso mais emocionante do evento, foi marcado pela reflexões: como cuidar de um planeta em que cada indivíduo deixa sua pegada de carbono? Paul lembrou que as empresas precisam trazer as metas globais para dentro de sua essência e que cada negócio pode fazer algo, não pode ficar paralisado. O vice-presidente da ONU lembrou ainda que as metas de desenvolvimento são uma parceria com a humanidade. Cada um dos líderes presentes foi lembrado que a realidade do planeta é que muitas pessoas não sabem o que vão comer no dia seguinte e que o custo de não fazer nada será sempre o mais caro.

Inocência Manoel acompanha a agenda do Fórum e diz: “Nós, como líderes, temos que ser exemplo. Temos que ser solidários e temos por obrigação lutar pela igualdade, justiça social, combate à fome, à pobreza, lutar por educação, pois sem isso não se fura a bolha da miséria. Temos que todos os dias fazer bem a alguém. Quero ser uma pessoa que inspira as pessoas a ajudarem o próximo e que nunca se acomodem.”

Sobre a Inoar

Empresa brasileira referência no mercado nacional e internacional, a Inoar Cosméticos traz em seu DNA a essência de seus fundadores: a criação de produtos inovadores pelo olhar único de Inocência Manoel, Diretora de Marketing e Criação, e a administração dos negócios de Alexandre Nascimento fazem da Inoar uma marca de cosméticos inspirados em vários tipos de pessoas, com inovação, tecnologia de ponta e o know-how de quem entende as necessidades de profissionais e consumidores finais.

http://www.inoar.com
Facebook: Inoar Brasil
Instagram: @InoarBrasil
Tel.: +55 11 4135-4555