O Pacto Global da ONU – por que é tão urgente fazer alguma coisa

O Pacto Global da ONU – por que é tão urgente fazer alguma coisa

Caso você ainda não saiba, em 2015, a ONU propôs ao mundo uma nova agenda de desenvolvimento sustentável para os próximos 15 anos, a chamada Agenda 2030, composta pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Estamos em 2020 e o cenário nunca foi tão desafiador. De acordo com dados apresentados nesta semana em uma reunião de estratégias da Rede Brasil do Pacto Global, estamos 30% abaixo das expectativas de atingir os objetivos.

O que quero dizer com isso? Que o momento é de agir.

Quando decidi assinar este grandioso pacto com a ONU, eu sabia que havia muito a ser feito e que algumas iniciativas implantadas na Inoar já estavam alinhadas com os ODS, por exemplo o projeto Beleza Solidária, fundado por mim.

Esta convicção se mostrou ainda mais acertada quando tive certeza do quanto estes Objetivos, além de serem a nossa real forma de mudar o mundo, são uma poderosa ferramenta para as empresas.

Sempre acreditei nesta responsabilidade que temos, como companhia, de fazer negócios mais sustentáveis, porém vou além: os ODS trazem novos horizontes para que as companhias inovem e alcancem vantagens competitivas. O consumidor hoje é muito mais exigente e sabe o que acontece no mundo. E apenas as empresas alinhadas com a sustentabilidade vão sobreviver – guardem isso que estou falando.

Para quem ainda não conhece, listo abaixo as 17 ODS propostos pela ONU:

Objetivo 1: Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares

Objetivo 2: Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável

Objetivo 3: Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades

Objetivo 4: Assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos

Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas

Objetivo 6: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos.

Objetivo 7: Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos

Objetivo 8: Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos

Objetivo 9: Construir infraestruturas resilientes, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação

Objetivo 10: Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles

Objetivo 11. Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis

Objetivo 12. Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis

Objetivo 13. Tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos

Objetivo 14. Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável

Objetivo 15. Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade

Objetivo 16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis

Objetivo 17. Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

Nos próximos posts vou me aprofundar em cada um deles e o que estamos fazendo para avançar nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Não basta escrever, ler ou falar. Temos que agir!
Inocência Manoel

Desmistificando o empreendedorismo

Desmistificando o empreendedorismo

O título deste post pode parecer muito duro, ainda mais em tempos em que se valoriza o empreendedorismo – quando ele acontece, na maioria das vezes, por falta de opção.

Muitas vezes, empreender é a sua única escolha. Outras é um sonho. Em todas elas, está longe do glamour que te vendem nos sites sobre o assunto.
Empreender é para os fortes. Mas, sobretudo, para os teimosos. Porque, com tantos percalços no caminho, desistir chega a ser tentador.

Quando comecei, não se falava muito em uma metodologia para negócios. Eu era muito nova e o que consegui nos anos iniciais foi à base do feeling. Não havia as redes sociais, a internet e a rapidez da comunicação que hoje conhecemos. Era como tatear no escuro, e não ter medo do trabalho.

Porém, as coisas foram mudando. Em cada uma das fases da minha vida eu consegui sucesso e derrota. Os tombos foram vários e as puxadas de tapete também. Não fosse minha fé, eu teria seguido outro caminho. Porém, construir uma marca era meu destino, era como se estivesse escrito e eu nunca duvidei disso.

Os dados são reais: 60% das empresas com pouco mais de cinco anos fecham suas portas no Brasil (pesquisa de Demografia das Empresas desenvolvida pelo IBGE).

De acordo com o estudo “Causa Mortis – O sucesso e o fracasso das empresas nos primeiros cinco anos de vida”, realizado pelo Sebrae, os principais motivos de falência são a falta de planejamento, a má gestão empresarial e o despreparo de líderes e executivos.

São muitas as armadilhas escondidas nestes fatores, e nelas incluo sim a má conduta e o oportunismo de pessoas e empresas que, percebendo o potencial de um negócio, começam a trabalhar para extrair dele lucro em benefício próprio. Quando você não tem experiência suficiente, cai em alguns golpes e dificilmente se recupera.

Aí vem a resiliência, que muitos chamam de teimosia. Somente levantando de novo, sem medo de seguir em frente, com a cabeça erguida, é que você levanta. Neste processo, me apoio nos meus valores de sempre: valorizar os trabalhadores, os necessitados, olhando não somente para a frente, mas para os que estão ao nosso lado e os que mais precisam de nós.

Inocência Manoel

Sobre cair de pé

Sobre cair de pé

A vida de um empreendedor é uma luta diária. E aqui falo do empreendedorismo nato para que não romantizem a questão como ultimamente temos visto acontecer no nosso tão sofrido Brasil.

Desde minha adolescência empreendo e muito se engana quem pensa que minha trajetória sempre esteve rodeada de beleza – apesar de sempre ter trabalhado na área. Desde o início, aprendi na marra a cair, resistir e seguir. Eu aprendi e talvez hoje possa ensinar qual é a diferença entre cair e cair de pé.

Eram outros tempos e ter o meu próprio negócio estava muito mais no meu sangue do que qualquer outra profissão. Criatividade e inventividade fazem parte do meu DNA e com isso fui estudar. Sempre fui da pesquisa, adoro um bom planejamento e execução caprichada.

Isso se reflete totalmente nos produtos que desenvolvi ao longo de tantos anos para a Inoar, mas quando eu era muito nova não havia ninguém para me ensinar, então eu segui meus princípios em cada um dos negócios que já tive, que abri sem ajuda financeira de ninguém. E eles, os princípios e a educação que recebi, sempre me conduziram para este caminho: nunca abandonar minhas responsabilidades. Isso é cair de pé. Cair, quebrar, mas permanecer de pé com a cabeça erguida.

Todo mundo que se arrisca um dia cai. E o que você faz com seu tombo e a pessoa que você se torna com ele são os divisores de água da sua vida. Meu modo de fazer negócios é um só, não importa o tamanho da minha empresa: primeiro os colaboradores. Nunca tirei dinheiro para mim sem antes pagar funcionários! É uma questão de ética e moral.

Tive pequenos e médios negócios que simplesmente não foram para a frente. Vergonha nenhuma de dizer isso. Quebrei algumas vezes, fui enganada muitas. Não tenho também motivos para colocar um filtro em nenhuma história. E sabe por que? Essa jornada de erros e acertos me trouxe até aqui. Íntegra. Empregando muita gente. Salvando vidas. Aprendendo todos os dias.

Infelizmente, ter um negócio não é para todos. Hoje, com a crise, desempregados viram empreendedores. Sem conseguir retornar ao mercado de trabalho, profissionais apostam no próprio negócio, mas poucos conseguem executar um bom planejamento e compreender o mercado em toda a sua profundidade.

Empreender parece um sonho. Mas não é. Nesta vida, temos que viver com os olhos bem abertos.

Nesse processo de aprender, os erros foram bênçãos. Porque mesmo quando achamos que atingimos o topo, quem está ali embaixo lança as cordas para te puxar para baixo. Empreender é sobreviver a tudo e todos, justamente porque você sempre sabe o que pode te esperar. Mas sempre com ética, moral, seguida de compaixão por aqueles que trabalham para você.

Inocência Manoel

Inoar participa do Mandela Day na África do Sul

Inoar participa do Mandela Day na África do Sul

Equipes de futebol mantidas pela companhia na África do Sul participam de torneio com foco motivacional para crianças de comunidades do país.

São Paulo, 24 de julho de 2019 – Há 3 anos, a Inoar África do Sul desenvolve um projeto social tirando as crianças das ruas e dando-lhes um senso de propósito.

Para mantê-las ocupadas, e longe de problemas depois que retornam da escola, Shoki Richard Ndaba, parceiro da Inoar local que trabalha no mercado capilar étnico desde 2012, deu início a atividades em uma Academia, onde pudesse não apenas treinar essas crianças, ensinando futebol, mas também disciplina, para que possam ter foco e objetivos na vida. O esporte dá sentido à vida das crianças e a ação está em total sintonia com as práticas sociais do projeto Beleza Solidária, fundado pela empresária Inocência Manoel.

Foi assim que a Inoar África do Sul juntou-se a esta jornada, acolhendo as crianças, fornecendo equipamento para treino, uniformes, bolas de futebol, além de contribuições mensais para mantê-las em movimento, para manter este sonho vivo e cuidar das crianças, quando suas famílias não têm condições financeiras.

A missão da Inoar, junto com Shoki Ndaba, é ensinar a essas crianças que elas podem fazer diferença na sociedade, que elas têm um propósito e que podem ser exemplo para os demais.  Tudo isso começa com Motivação. As crianças não pertencem a nenhum clube de futebol e por isso a Inoar organiza jogos para que eles sejam reconhecidos.

No Mandela Day 2019, um dia para celebrar a vida de Nelson Mandela e um convite para que as pessoas reflitam sobre a importância de ajudar o próximo, lutando pela igualdade entre os povos e por um mundo mais generoso, um dos times da grande liga do país, Kaela Football Team, concordou em jogar contra o nosso Zikode Soccer Teams da Inoar, no sábado 20 de julho de 2019. A ação foi uma grande honra para essas crianças, que vêm treinando duro e esperando por um dia como este, onde podem finalmente jogar contra um grande time.

Uniformizados com as camisas verdes da Inoar, enfrentaram seu primeiro jogo. A equipe mais jovem, U11 (Under 11), jogou pra valer. No primeiro tempo, o time Kaela liderava por 1×0,  mas a equipe Inoar seguiu jogando e finalmente conseguiu um gol que levou a torcida à loucura. O jogo terminou 1×1. E nós não poderíamos estar mais orgulhosos.

O segundo jogo foi da equipe U13 (Under 13). Eles treinam há 3 anos e marcaram 2 gols, finalizando em 2×0.

Com tamanha visibilidade, talento e técnica demonstrados, algumas crianças foram selecionadas para equipes das ligas 9 -13 anos.

Esta iniciativa está alinhada com os preceitos do projeto Beleza Solidária, fundado por Inocência Manoel com o objetivo de melhorar a vida das pessoas em situação de vulnerabilidade e capacitá-las, como vem fazendo em sua sede e por meio de parcerias. “A essência deste projeto deve estar presente em todos os locais que trabalham a marca Inoar e neste sentido a Inoar África do Sul desenvolve um trabalho exemplar”, diz Inocência Manoel.

‘”Eu sou quem eu sou porque somos todos nós” – Esta frase de Nelson Mandela sintetiza tudo aquilo em que acredito. Os projetos sociais, como o Beleza Solidária, são fundamentais para que toda a luta humanitária continue reverberando em todos nós”, finaliza a empresária.

Link para fotos: http://scup.it/luor

Montagem 3

Montagem2

Sobre a Inoar
Empresa brasileira referência no mercado nacional e internacional, a Inoar Cosméticos traz em seu DNA a essência de seus fundadores: a criação de produtos inovadores pelo olhar único de Inocência Manoel, Diretora de Marketing e Criação, e a administração dos negócios de Alexandre Nascimento fazem da Inoar uma marca de cosméticos inspirados em vários tipos de pessoas, com inovação, tecnologia de ponta e o know-how de quem entende as necessidades de profissionais e consumidores finais.

 Projeto Beleza Solidária Inoar
Fundado por Inocência Manoel, o Beleza Solidária é um projeto da marca Inoar criado para capacitar pessoas de diferentes comunidades, no Brasil e no exterior, e está também voltado à recuperação das identidades das mulheres e ao seu empoderamento. Com cursos oferecidos à população de baixa renda, e ações itinerantes diversas, a iniciativa pretende oferecer à sociedade um caminho para o empreendedorismo.

http://www.inoar.com
http://www.belezasolidaria.com
Facebook: Inoar Brasil
Instagram: @InoarBrasil | belezasolidaria.inoar
Tel.: +55 11 4135-4555

Colaboradores na vida real

Colaboradores na vida real

Não é de hoje que a Inoar abre a discussão para a inclusão social no mercado de trabalho. Somos uma indústria de cosméticos que vê a beleza muito além dos estereótipos que a mídia vende. Nós acreditamos nas pessoas de verdade e elas são as mais diversas possíveis.

Todos os anos, em nosso Congresso, abrimos um painel da Representatividade para ouvir um pouco a voz de quem tem história para contar. Negros, portadores de necessidades especiais, público LGBTS, refugiados, dentre outros grupos que trazem experiência e devem se ver, cada vez mais representados por nós, uma marca da vida real.

Acho incrível o movimento das empresas de falar sobre inclusão, mas o assunto aqui não é novo. Desde que a Inoar foi fundada, seu propósito foi abraçar a todos. Não à toa, em 2015, lançamos a campanha #Diferente com a atriz Tathiana Piancastelli, que tem síndrome de Down, e Maiara Barreto, atleta paraolímpica.

A campanha foi destaque no Brasil e também na mídia internacional, destacando sua importância e inovação, contando um pouco da história das nossas modelos e do quanto foi importante escolhê-las.

Campanha #Diferente no site Movimento Down: (Clique Aqui) 

Campanha #Diferente no site australiano Starting With Julius: (Clique Aqui)

A ideia da Inoar de ressaltar a beleza da diversidade e a importância da inclusão social em suas campanhas publicitárias, destacando em sua comunicação pessoas com deficiência e diferentes perfis, nasceu para torná-las protagonistas também na publicidade, de forma que sejam inseridas, cada dia mais, sem preconceitos.

Não dá pra fazer a diferença fazendo mais do mesmo. E este jeito de pensar não pode ficar da porta pra fora, ele também é um reflexo do que acontece aqui dentro.

Um exemplo é a questão das vagas de emprego para trabalhadores em idade mais avançada, excluídos do mercado formal e que mais têm sofrido com o fechamento de vagas com carteira assinada, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Em agosto de 2018, enquanto a faixa etária até 39 anos criou mais de 140 mil vagas, 37 mil postos foram fechados para pessoas acima de 50 anos.

Pensando nisso, e tendo em vista que um ambiente de trabalho que mescle perfis diferentes e complementares tende a se tornar mais equilibrado, criei para a Inoar o Projeto Mais Sessenta, com o foco na contratação de colaboradores com mais de 60 anos.

Esta não é uma ação de filantropia. Esta contratação é feita da mesma forma que as outras. Acreditamos na força real de trabalho das pessoas com mais de sessenta anos, no seu comprometimento e na experiência sem igual que elas têm para agregar.

Os ‘sessentões’ são um contraponto para a ousadia dos jovens, as duas coisas equilibradas fazem um ambiente de trabalho ideal.

Em 2016, a revista americana Modern Salon destacou essa história: (Clique Aqui)  

Uma de nossas colaboradoras mais antigas, Cleide Horta, nos deu seu testemunho na semana passada e são suas palavras que me fazem acreditar que, sim, a Inoar nasceu diferente para que faça parte da vida de cada um:

“(…) São oportunidades de fazer parte do quadro de funcionários de uma empresa que viu você envelhecer sem te rotular. Ou seja: não te impôs limites e deixou você correr atrás dos seus sonhos, para novos desafios.”

A Inoar sempre foi pioneira de falar da beleza e não podia ser diferente ao contratar seus colaboradores. A vida real tem rugas, tem cadeira de rodas, óculos, sardas, manchas, cicatrizes – e muitas histórias para contar.

Inocência Manoel

#inclusao #acessibilidade #amor #inclusaosocial #deficientes #transgender #lgbt #gay #trans #pride #lgbtq #loveislove #pracegover #maturidade #downsyndrome #specialneeds #sindromedown #maissessenta  #paraolimpiada #vidareal

“Mulheres no comando.”

“Mulheres no comando.”

2“Essas mulheres intensas estão sacudindo a indústria da beleza. O futuro é feminino. Além do mais, o futuro está aqui, como evidenciado por essas mulheres inspiradoras. De CEOs a fundadores de empresas que lançaram impérios de beleza, passando por educadores criando editoriais impressionantes enquanto ensinam a próxima geração, a influenciadores que lideram o estilo nas mídias sociais, essas líderes notáveis estão mudando a maneira como olhamos para a beleza. Mas como elas veem o mundo e que lições de vida ajudaram a permear essas visões? Vamos descobrir.”

O parágrafo acima abre a matéria de Julho de 2019 da revista americana Beauty Launchpad, que entrevistou algumas mulheres que estão realmente transformando o nosso setor.

Fui entrevistada em abril deste ano e é com muita alegria que compartilho aqui na íntegra o conteúdo, para que mais e mais mulheres possam se inspirar e mudar o mundo.

Obrigada, Launchpad!

Como você começou neste setor? O que tem de melhor lembrança de quando começou?

Posso dizer que nasci no setor, porque, desde a minha infância fui apaixonada por cabelos. Eu era muito nova e perto de casa havia um salão de beleza. O local era bastante conhecido na cidade de Assis, no interior do Estado de São Paulo, no Brasil. Como eu era criança ficava somente observando as clientes que saíam de lá. Certo dia fui falar com a dona e pedi emprego para ela, que dizia que não podia, pois eu era uma criança e as clientes não entenderiam. Não desisti e insisti. Vi o chão cheio de cabelos e ofereci minha ajuda para varrer o chão. Peguei todos os fios de cabelos, coloquei em um saco plástico e levei tudo para minha casa, onde comecei a trabalhar.

Fiz uma espécie de mural e separava os fios de cabelos. Com os trocados que recebia comecei a comprar produtos de alisamento e fazer testes nas nessas mechas e em mim mesma. Depois comecei a testar em minhas amigas.

Comecei a trabalhar como auxiliar e criava penteados e cortes. Misturava produtos e testava em mim mesma – o que me levou a buscar tratamentos efetivos com qualidade superior e acessíveis a todos.

Com 15 anos de idade, abri meu próprio salão, nos fundos de casa, e aí não somente o lado alquimista viria a despontar, mas também o lado visionário e empreendedor.

As minhas melhores lembranças desta época estão ligadas às conquistas com os resultados dos produtos. Eu ficava feliz quando conseguia deixar alguém feliz com seus cabelos.

Qual é a sua maior conquista até hoje?

Tenho várias, como o desenvolvimento de produtos para a Inoar. Mas não posso me esquecer do lado humano e tenho um orgulho imenso do projeto social, Beleza Solidária, que atua na melhoria das condições de vida de centenas de famílias. O projeto oferece cursos de capacitação em serviços de beleza, e, por meio de parcerias com instituições beneficentes, realiza ações como cursos ou doações de caráter emergencial, com a distribuição de kits destinados a cuidados pessoais.

Por conta de ações como esta, recebemos agora no mês de abril a confirmação de que estamos participando oficialmente do Pacto Global das Organizações das Nações Unidas.

O Pacto Global da ONU é a maior iniciativa de sustentabilidade empresarial do mundo, convidando as empresas a alinharem as estratégias e operações com os princípios universais de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e combate à corrupção, e a tomarem medidas que promovam objetivos sociais.

Assinei meu apoio aos Dez Princípios do Pacto Global e vamos trabalhar para implementá-los, tanto na Inoar, quanto no projeto Beleza Solidária. Com isso tornaremos o Pacto Global e seus princípios parte da estratégia, da cultura e das operações cotidianas dos negócios para o Desenvolvimento Sustentável.

As ações práticas que a Inoar vem desenvolvendo ao longo dos anos, algumas descritas abaixo, têm total sinergia com os princípios estabelecidos pelo Pacto Global: Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Luta Contra a Corrupção. Agora, somos participantes desta grande iniciativa da ONU que vem reforçar tudo aquilo em que sempre acreditei.

Quando você se deu conta de que tinha “chegado lá”? Fale sobre um momento em que se viu bem-sucedida.

Depois de uma vida inteira dedicada ao meu sonho de criar produtos e desenvolver marcas, o que chamam de sucesso só chegou mesmo, para mim, aos 55 anos de idade. Antes disso, foi luta atrás de luta, com derrotas no meio.

Eu me vejo bem-sucedida quando mulheres que usam Inoar ou que conhecem minha história se aproximam de mim para dizer que as inspiro. Sou abençoada por ter essa responsabilidade!

Quais são seus planos para daqui a 10 anos?

Fazer uma nova faculdade. Voltar a dançar. Quero aprender mais um idioma. Estou estudando novas tecnologias e modelos de gestão. Vou voltar a dar palestras. Estou criando novas marcas. O mundo é do tamanho da gente.

Que conselho honesto e útil você daria a um colega que pensa em seguir uma carreira semelhante?

Primeiro: não existem fórmulas. O mercado cosmético é altamente competitivo. É preciso inovar sempre, estar atenta a todas as movimentações, enfrentar concorrências desleais, falsificações de produtos, dificuldades para importar matéria-prima. Não existe zona de conforto.

No início, enfrentei muitos obstáculos financeiros. Bancos não fornecem capital sem garantias, mas as dificuldades sempre serviram de aprendizado para a gente.

Quando a gente foi crescendo e a Inoar chegou a um patamar que começou a incomodar as grandes marcas, me vi nadando com tubarões, e sem poder sangrar. São empresas nacionais e multinacionais nessa corrida, algumas com muitos mais recursos. Não há dias fáceis, em um cenário desfavorável para ter uma empresa, em um país com este contexto de insegurança, de desigualdade, de machismo.

É aí que entram as múltiplas habilidades que uma mulher precisa ter para se destacar. Não basta você ser criativa, você tem que saber brigar. Mas,  como conselho, sempre vou dizer: não perca sua fé.

O que você mais ama nessa indústria? Ou o que você acha mais inspirador?

Eu amo criar. Tenho um perfil altamente inovador, eu não gosto da mesmice. E são muitas as coisas que me inspiram. Ver um espetáculo me inspira, ouvir uma música. E eu consigo transportar tudo isso para os produtos que crio, acredite. Quando pego um frasco da Inoar nas mãos, não vejo um produto, um shampoo, um creme. Vejo a minha vida inteira ali. A embalagem, a fragrância passam toda a nossa história, e os nossos consumidores se identificam com ela. Nós trabalhamos assim: queremos deixar algo concreto para a história da Inoar, fazendo parte da vida das pessoas. Se pensarmos que a beleza é passageira, por outro lado um produto desenvolvido com tanta coisa para contar acaba se tornando eterno.

Inocência Manoel
Co-Fundadora da Inoar
Diretora de Marketing, Criação e Desenvolvimento
Fundadora do projeto Beleza Solidária Inoar

Nossas heranças capilares

Nossas heranças capilares

 Nosso DNA diz muito sobre quem somos e você certamente se surpreenderia se soubesse que estamos muito mais conectados com outros povos e outras culturas do que a gente mesmo acredita.

Seu cabelo, sua cor de pele, dos olhos, tudo veio de outras gerações e ancestrais. É importante conhecer nossas raízes para, sobretudo, respeitá-las, admirá-las e termos mais empatia uns com os outros.

Eu tenho, particularmente, uma grande paixão pelos povos africanos. Quando visitei o país, fiquei encantada também por seus cabelos e descobri que não foi à toa.

De acordo com o Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 45% dos brasileiros descendem de africanos. Por isso, há muitas semelhanças.

Nós estamos diretamente ligados e nossos cabelos são prova disso.

Na semana passada, a revista Glamour da África do Sul divulgou esta matéria sobre minha trajetória e a da Inoar. É orgulho que fala?

Capa Glamour

Glamour hair