Fundadora da Inoar é indicada ao prêmio Gestora do Ano no Oxford Summit of Leaders 2018

Fundadora da Inoar é indicada ao prêmio Gestora do Ano no Oxford Summit of Leaders 2018

A fundadora da Inoar Cosméticos, Inocência Manoel, foi indicada ao prêmio Gestora do Ano, condecoração que reconhece e homenageia a excelência individual de executivos de alto nível em todo o mundo. A premiação acontecerá durante o Oxford Summit of Leaders 2018, no dia 18 de dezembro, em Oxford, na Inglaterra.

 

Inocência Manoel, que também é Diretora de Marketing e Criação da marca, foi reconhecida como líder empresarial eminente por contemplar critérios como de visão e liderança, desempenho e efetividade da empresa, personalidade e habilidades gerenciais individuais, competitividade nacional e internacional, nível de inovação e responsabilidade social corporativa. “Além de uma enorme honra, esta indicação é reflexo da dedicação e da busca constante pela excelência da Inoar Cosméticos, de todo o nosso time. Afinal, temos como base valores sociais, ambientais e humanos, o que reflete quem somos e a forma como desejamos continuar crescendo. Sem dúvidas, é recompensador este reconhecimento”, afirma.

 

Sobre a Inoar

Empresa brasileira referência no mercado nacional e internacional, a Inoar Cosméticos traz em seu DNA a essência de seus fundadores: a criação de produtos inovadores pelo olhar único de Inocência Manoel, Diretora de Marketing e Criação, e a administração dos negócios de Alexandre Nascimento fazem da Inoar uma marca de cosméticos inspirados em vários tipos de pessoas, com inovação, tecnologia de ponta e o know-how de quem entende as necessidades de profissionais e consumidores finais. Em maio de 2018, inaugurou a Inoar Europa com um Centro Técnico e de Treinamento para distribuidores e cabeleireiros profissionais com sede em Lisboa, Portugal.

 

“CABELO, CABELEIRA, CABELUDA, DESCABELADA”

A letra de música no título traduz muitas coisas, mas fala principalmente de estilo de vida. Queria ter mais tempo para escrever sobre os cabelos que, ao longo da história, ocuparam diferentes status e há muito envolvem uma mística. Talvez a mais célebre seja a história bíblica de Sansão, que tem o cabelo cortado por Dalila para que perca a força e seja derrotado por Filisteus.

Símbolo de força e poder, o cabelo ainda é tema de polêmicas na Europa, quando envolvido no véu islâmico (hijab, niqab, shador e burca).

lenços

Lisos ou crespos, soltos ou presos, de homens e de mulheres, os cabelos encantam os mais distraídos. Por força de ofício acompanho o crescente número de mulheres negras que estão soltando o cabelo, amarrados há anos por um discurso que diz “serem ruins e feios”. Sobre essa mulher quero escrever algumas linhas. Muitas delas assumem um estilo black power, ou outras formas de resistência expressas nas músicas de Nina Simone, no ativismo político de Steve Biko, nas canções de Tim Maia, Caetano, Sandra Sá, Chico César e tantos outros que não cabem num artigo.

 

 

Mulheres começam a fazer resistência à um discurso que sempre existiu, mas que está se disseminando rapidamente nas ondas conservadoras Brasil e mundo afora. Tal discurso que quer determinar o lugar da mulher no mundo cresce nas redes sociais, como também cresce os movimentos de resistência, de afirmação de identidade e de auxílio.  Há muitos grupos e blogs que tentam conscientizar às mulheres que sofrem preconceito pelo estilo de seu cabelo.

Qualquer gênero pode adotar o estilo de cabelo que gosta ou se identifica:

black power