Das nossas mãos para as suas.

Das nossas mãos para as suas.

Na semana passada eu dei duas entrevistas e, quando respondia às perguntas dos jornalistas, fazia uma retrospectiva da minha história e da história da Inoar. Tudo o que passamos, o que vivemos e construímos foi muito revolucionário, até mesmo para um mercado que vive de inovações. Porém, o que fazemos está sempre além. Quebramos paradigmas, inventamos tendências e vivemos na contramão.

Jardins de Inoar

Jardins de Inoar

Se eu pudesse resumir o ano de 2021 em uma palavra, seria um verbo: respire. Ar foi o que mais nos faltou, mesmo quando procuramos encher os pulmões para recomeçar. Sem deixar de ver com muita clareza todos os percalços, os desafios e os momentos em que nós perdemos tanto, eu segui até aqui com a minha fé, e com vocês que compartilham dela comigo.

Carreira solo não forma uma banda.

Carreira solo não forma uma banda.

Por muitos e muitos anos eu fui sozinha e confesso que sou destemida a ponto de enfrentar quaisquer cenários profissionais somente com a minha cara e coragem. Mas, ao longo dos anos, aprendi a ter companhia, a ter parcerias, a ter colaboradores e a delegar. Não é tão simples quanto parece você deixar de olhar pelo seu lado e ter pessoas à sua volta com diferentes trajetórias e experiências para realizar um trabalho que você faria de tal forma.