Bastidores de uma vida empreendedora. Capítulo 1: Coaching

Bastidores de uma vida empreendedora.  Capítulo 1: Coaching

Se eu pudesse dar uma dica sobre empreendedorismo a vocês, seria: fuja dos coaches que nunca empreenderam nada e estão ganhando dinheiro às custas daqueles que acreditam em fórmulas mágicas.

Isso não existe. E é simples assim.

Existem trabalhos de coaching sérios? Claro que sim. Como em todas as áreas. Mas, infelizmente, em sua grande maioria, a coisa tomou outra proporção que a gente não sabe se ri ou se chora, tamanhos os absurdos que tenho visto por aí.

A ideia, no princípio era boa. Muito boa. De acordo com a revista Exame, “O coaching era usado como apoio ao processo de desenvolvimento das pessoas efetivamente.”  Por meio de metodologias, um profissional habilitado (o coach) tem como objetivo elevar a performance de indivíduos ou empresas. Para isso, é preciso saber, são necessários anos de estudos em ciências do comportamento, negócios, lideranças, empresas, mercado, para a própria formação do coach.

O problema é que, toda vez que surgem cases de sucesso eles vêm seguidos de oportunistas que vão te fazer acreditar que para empreender, ter sucesso e ficar rico basta participar daquela palestra. Mesmo que naquela palestra eles obriguem você a ficar em pé gritando “Uhhuuu” ou fazendo alguma dancinha louca com finalidade motivacional. Não. Isso não funciona.

Estamos na era do conhecimento e, ao mesmo tempo, com uma grande ameaça ao conhecimento. Eu tenho muito orgulho das universidades estaduais e federais no nosso país. Só nesta semana, três notícias me fizeram ter vontade de bater palmas:

– Alunos da USP ganham prêmio com software que calcula risco de doenças crônica (Confira aqui).

– UFMG cria espuma que absorve agrotóxico da água e dos alimentos (Confira aqui).

– Aparelho de pesquisadores da USP consegue zerar dor da fibromialgia (Confira aqui).

Pode clicar nos links e ler. Todo mundo precisa se informar sobre quão importantes são os projetos científicos do nosso país (com tristeza, ameaçados pelos corte a pesquisas das universidades).

E é disso que estou falando: o conhecimento, meus amigos, é profundo. Se você quer fazer alguma coisa, se você quer empreender, precisa ir no fundo.

No raso, ficam as fórmulas mágicas, as palestras de líderes de torcida e uma massa doida para acreditar em gurus, mentiras e fake news.

Muito cuidado: em tempos sombrios, em que o conhecimento se torna uma ameaça, você corre o sério risco de se formar na Universidade do WhatsApp.

Inocência Manoel

Coloração vegana? Temos!

Coloração vegana? Temos!

Há alguns anos, tenho trabalhado para deixar um legado para a marca Inoar, fundada por mim e pelo meu filho, Alexandre. Eu acredito que uma empresa está além de fabricar e vender produtos. Nós estamos aqui também para contribuir para o desenvolvimento das pessoas, da indústria, do país.

Mais do que uma marca, somos uma história. E para mim ela precisa estar conectada com o mundo em que vivemos, em uma troca constante com nossos consumidores, com nosso entorno, com a natureza.

Ao assinar minha adesão ao Pacto Global da ONU, eu já estava certa de que todo este trabalho tem um propósito. E isso me dá mais certeza do nosso caminho.

Todos os nossos shampoos, condicionadores e tratamentos capilares, além dos dermocosméticos, são veganos. Isso significa que eles não têm ingredientes de origem animal e não são testados em animais, em hipótese alguma.

Se 2018 foi o ano em que consolidamos este posicionamento, 2019 vem para mostrá-los nas embalagens e em novas linhas também.

2019 vai ser o ano da nossa coloração vegana, que adianto para vocês neste post, e está em fase de finalização.

Com uma fórmula inovadora, alta cobertura e performance superior, vocês não perdem por esperar a nossa Inoar Color!

Post_colorsystem

 

Pacto Global da ONU. Eu apoio!

Pacto Global da ONU. Eu apoio!

Na última sexta-feira (5 de abril de 2019) recebi um e-mail que já estava esperando há alguns dias e que confirmaria o meu feeling tão aguçado – as boas-vindas ao Pacto Global das Organizações das Nações Unidas – ONU.

A Inoar tornou-se, assim, participante desta importante iniciativa de sustentabilidade empresarial graças ao meu apoio incondicional aos seus princípios universais de direitos humanos, trabalho, meio-ambiente e combate à corrupção.

Há muitos anos venho insistindo em fazer uma empresa diferente. Digo insistir pois no mundo empresarial é preciso vencer algumas barreiras, criar novos hábitos, “matar um leão por dia”, para poder construir um negócio de valores (que não necessariamente tem a vem com dinheiro).

Assim, como vocês já conhecem, é meu investimento pessoal, de tempo, de dinheiro, e um investimento emocional também, que impulsiona a iniciativas sociais do projeto Beleza Solidária. E são elas que fazem com que a gente se aproxime mais de iniciativas tão importantes para as questões humanas para quem todo empresário tem o dever de olhar.

É por meio do projeto Beleza Solidária que as identidades de pessoas das bases da pirâmide social são resgatadas em cursos de capacitação e ações emergenciais em parceria com ONGs, no Brasil e no mundo.

Estamos também comprometidos com a questão da representatividade, acreditando na importância de mulheres, negros, LGBTs, pessoas com deficiência e outros grupos ocupando mais espaços, no dia a dia, em suas parcerias, e em sua comunicação.

A Inoar garante que os direitos dos trabalhadores sejam respeitados e contribui para a abolição de todas as formas de discriminação, especialmente pelo Projeto Mais Sessenta, para a contratação de profissionais maduros.

Reafirmamos nosso posicionamento com a questão da biodiversidade, desenvolvendo cosméticos veganos, sem testes em animais e sem ingredientes de origem animal, e também estamos comprometidos com o uso de matérias primas e processos que não agridem o meio-ambiente.

A Inoar apoia, ainda, a luta contra a corrupção, extensiva a todos os colaboradores, executivos, diretores e sócios, em sua sede e rede de distribuidores.

As ações práticas que a Inoar vem desenvolvendo ao longo dos anos têm total sinergia com os princípios estabelecidos pelo Pacto Global: Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Luta Contra a Corrupção. Agora, somos participantes desta grande iniciativa da ONU, que vem reforçar tudo aquilo em que sempre acreditei.

Inocência Manoel

Post_PactoGlobalOnu

Mulheres têm prazo de validade?

Mulheres têm prazo de validade?

 

“Cheguei aqui à meia-noite, dormi na fila e acabei de ser descartada, como se eu fosse um lixo”, diz Edna Teixeira, de 58 anos, cabisbaixa.

A frase ilustra uma dura matéria da BBC News Brasil sobre o drama das pessoas com mais de 50 anos que passam a noite na fila e saem sem trabalho do Mutirão do Emprego. (Confira aqui).

E ela vem reforçar muitas das minhas constatações sobre carreira, preconceito e algumas histórias que vivi na pele e ainda sinto, como mulher e empresária.

Depois de uma vida inteira dedicada ao meu sonho de criar produtos e desenvolver marcas, o que chamam de sucesso só chegou mesmo, para mim, aos 55 anos de idade. Antes disso, foi luta atrás de luta, com derrotas no meio.

Porém, a trajetória de uma mulher que opta por seguir nesta carreira é permeada de preconceito, como se eu não tivesse o direito de estar aqui, fazer o que faço, chegar onde cheguei.

Num país em que as mulheres assinam 72% dos artigos científicos publicados, ainda somos minoria. O desemprego é tradicionalmente maior entre as mulheres. Ao lado dos jovens e dos pretos e pardos, a população feminina é das mais afetadas pela falta de oportunidades no mercado de trabalho.

Por outro lado, quem está no mercado de trabalho, tem suas lutas diárias contra o preconceito. Não é só no Brasil, mas costumam de achar mais nova do que realmente sou, e aí, quando revelo a minha idade, os olhares mudam: “Ah, mas você já pode se aposentar.”

Dizem que a mulher esconde a idade, mas por diversas vezes nos vemos obrigada a isso. Algumas vezes, para esconder a pouca experiência. Algumas vezes, para esconder que não estamos nem perto de parar. Dentro da minha própria empresa, um diretor geral tentou me aposentar.

Quando me tornei avó, então, tentaram me colocar na forma de uma avó tradicional. E na minha melhor idade, precisei lembrar a todos que eu não sou quem esperam que eu seja. Eu sou feita das minhas experiências, dos meus erros, meus acertos, meu repertório cultural e de vida. E não estou aqui para satisfazer a expectativa de ninguém. Como diz a incrível Martha Medeiros:

“Adoro massas cinzentas, detesto cor-de-rosa. Penso como um homem, mas sinto como mulher. Não me considero vítima de nada. Sou autoritária, teimosa e um verdadeiro desastre na cozinha. Peça para eu arrumar uma cama e estrague meu dia. Vida doméstica é para os gatos.”

Tirando a parte da cozinha e do cor-de-rosa, me identifico. Nunca me encaixei em padrões, vão querer me formatar agora?

Se na minha juventude abri mão de tantas coisas, agora vou fazer tudo o que deixei para trás. Comecei a fazer uma nova faculdade. Vou voltar a dançar. Quero aprender mais um idioma. Estou estudando novas tecnologias e modelos de gestão. Vou voltar a dar palestras. Estou criando novas marcas. O mundo é do tamanho da gente.

Hoje, tenho um filho bem casado, bem-sucedido, por quem trabalhei muito. E com isso, tenho plena convicção de que chegamos aqui íntegros e agora é hora de me ressignificar.

Mulheres sofrem preconceitos e pré-conceitos. Quem disse que, depois dos sessenta não podemos ter cabelos compridos, usar jeans e camiseta? Onde é que está escrito que meu cabelo precisa ser branco, ou platinado, ou prateado?

Hoje o tempo é meu. No período mais rico da minha vida, quem quiser seguir meu ritmo, pode chegar. Se não, eu já danço a dança da vida sozinha mesmo. E feliz, obrigada.

Coloco toda essa reflexão aqui em um momento em que é desumano olhar a fila do desemprego e ver tantas mulheres, senhoras e os idosos ainda tendo que lutar por sobrevivência – não por seus sonhos.

Na Inoar, idade nenhuma nunca foi pré-requisito para uma contratação. A empresa reflete meus valores pessoais, e estes estão muito à frente. Pessoas e mulheres não têm prazo de validade.

Há um recado sendo dado

Há um recado sendo dado

Sou uma mulher de fé. Nos momentos mais difíceis da vida, foi minha crença inabalável que sempre me segurou. É pela minha fé que ando, que crio, que trabalho. Muitas vezes o plano espiritual parece ser mais concreto que o lugar onde pisamos e sigo grata por pensar assim.

É neste lugar que me apoio quando a vida parece não ter explicação. Que ano, meus senhores. Quantas tragédias nosso Brasil vem enfrentando. Brumadinho, as enchentes, o incêndio no Flamengo, o acidente que levou embora o Boechat.

Evitáveis ou não, acidentes ou não, o fato é que precisamos urgentemente entender o recado que vem sendo dado a nós.

Um rompimento de barragem, como aconteceu em Mariana, deveria ter sido suficiente. Mas precisamos ter passado por Brumadinho. O Brasil tem centenas de barragens como as que romperam em Minas. Um mapa criado pela BBC News Brasil com dados compilados em 2017 pela Agência Nacional de Águas (ANA), com informações da Agência Nacional de Mineração (ANM), mostra as barragens, sua localização e classificação, além das empresas responsáveis por elas. Entre as 790 barragens que aparecem, cerca de 320 não se enquadram na Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB). É a natureza gritando na nossa cara que alguma coisa não está certa ali. São estudiosos avisando.
Uma reportagem de O Globo revelou que o descaso com enchentes matou 2.500 pessoas no país em vinte anos. São décadas vendo pessoas arrastadas pelas águas, é claro que algo está muito errado.

Ao lado da lama e da água, o fogo também protagonizou a tragédia dos últimos dias, queimando o Centro de Treinamento do Flamengo, levando a vida de 10 meninos embora. Me-ni.nos. O que dizer quando a vida inverte a ordem natural das coisas?
E quando leva a vida de alguém que parecia fazer parte da nossa vida, como o jornalista Ricardo Boechat, morto em um acidente aéreo?

Terra, água, fogo e ar. Todos os elementos juntos nos dando um recado. É hora da gente parar. Tanta tecnologia, tanta informação e não estamos sabendo lidar com quem está do nosso lado. Não sabemos lidar com a natureza. Perdemos o respeito pelo sagrado, pelas vidas, pelo outro.

Há um recado sendo dado e esse só podemos escutar no silêncio. Da nossa consciência, da nossa alma e em nossas orações.

Inocência Manoel

De alquimista dos cabelos a transformadora de histórias

De alquimista dos cabelos a transformadora de histórias

Desde quando eu tinha um salão e criava fórmulas caseiras − fato que me levou a ser conhecida como “alquimista dos cabelos” –, trabalhando todos os dias e muitas noites, havia dentro de mim a ânsia de desenvolver produtos inovadores que satisfizessem meus desejos e os dos consumidores.

A beleza tem o poder de transformar até mesmo os estados de espírito. As mulheres usam a aparência, os cabelos especialmente, para marcar momentos importantes de suas vidas. Promoções, novos relacionamentos, tudo é motivo para repaginar. Cuidados estéticos são parte do universo feminino. Agregam identidade e levam empoderamento às mulheres, permitindo-lhes, inclusive, competir no mercado com mais segurança, mudando suas vidas e as de seus familiares. Partindo deste conceito, a Inoar deixou de ser um sonho para ser a empresa que é hoje. Sabemos que mulheres que se sentem bonitas são capazes de conquistar qualquer coisa. Nossa convicção é tão grande, que também a divulgamos por meio de nossos projetos sociais, afinal, a beleza deve ser democrática.

O compromisso com produtos inovadores é marca da Inoar também. A principal característica da empresa que fundei com meu filho, Alexandre Nascimento – cuja administração nos faz reconhecidos no mercado nacional e internacional −, é o pioneirismo. Estamos sempre à frente ao criar produtos para os cabelos e para a pele, atentos às necessidades do mercado, mas com identidade exclusiva.

A prova de que nossa filosofia é inovar em todos os aspectos está na forma como posicionamos nossa marca e nas diferentes maneiras que nossos produtos podem ser usados. É um marco na Inoar o lançamento do primeiro redutor de volume sem formol no mercado. Fomos a primeira empresa a utilizar o ácido glioxílico, em 2005, uma das maiores descobertas do segmento, levando o nosso país a um elevado patamar também em cosmetologia. Este ativo, um verdadeiro sucesso na Europa, foi incluído no PCPC (Personal Care Product Council) – uma associação da indústria americana de cosméticos − e no COSING (Cosmetic Ingredient Database), banco de dados da Comissão Europeia, com função alisante dos cabelos, devido à descoberta da Inoar.

A qualidade e a responsabilidade socioambiental são compromissos cotidianos na Inoar. Da mesma forma, a beleza é algo presente no nosso dia a dia. É conceito abstrato que transformamos em algo tangível por meio dos nossos produtos. Desde os ativos, a escolha de fragrâncias exclusivas, até o desenvolvimento de shapes de embalagem, nada é aleatório.

Ao mesmo tempo em que temos o compromisso com nossos consumidores, também ajudamos a movimentar o mercado desde sempre. Minhas primeiras criações vinham em frascos pretos; fomos a primeira empresa a usar um frasco soft touch; nunca antes no Brasil uma empresa havia levado shampoo e condicionador de 1 litro para o varejo; para nosso óleo de Argan, carro-chefe da Inoar, usamos o conceito da perfumaria, colocando o produto num vidro jateado com tampa revestida e com perfume raro e marcante, reconhecido no Brasil e no exterior.

Nossos produtos demandam qualidade e visual exclusivo, e o design é parceiro no crescimento dos negócios. Por isso a Inoar também é pioneira na customização de frascos. Para que nossos produtos possam se destacar neste mercado da beleza, não poupamos esforços para termos algo único, por vezes envolvendo processos artesanais na confecção de nossos frascos, como, por exemplo pintura com tinta automotiva para chegar numa cor só nossa. O nosso critério é termos nas embalagens a nossa identidade.

Quando pego um frasco da Inoar nas mãos, não vejo um produto, um shampoo, um creme. Vejo a minha vida inteira ali. A embalagem, a fragrância passam toda a nossa história, e os nossos consumidores se identificam com ela. Nós trabalhamos assim: queremos deixar algo concreto para a história da Inoar, fazendo parte da vida das pessoas. Se pensarmos que a beleza é passageira, por outro lado um produto desenvolvido com tanta coisa para contar acaba se tornando eterno.

Inocência Manoel

Segredos Made in Brazil Por Inocência Manoel

Segredos Made in Brazil                              Por Inocência Manoel

O Brasil é o país com mais tipos de cabelo no mundo. A maioria é formada por variações de fios cacheados e crespos, como já mostraram diversas pesquisas. Isso é fruto da nossa história, da nossa miscigenação. E ter essa gama toda de fios por aqui nos torna um dos maiores mercados de produtos capilares no mundo e uma terra de muitos especialistas em cabelos. Somos um centro de pesquisa contínua.

Além de toda essa “mistura”, há algo especial no Brasil também na forma de tratar os fios. As brasileiras são muito informadas e têm um ritual diferente para cuidar dos cabelos. Quando elas querem conhecer algo, vão a fundo. Não é diferente com os cabelos. A brasileira lê rótulo, ela se importa com os ingredientes dos produtos e muitas delas realizam seus procedimentos estéticos em casa, mas boa parcela da população também não dispensa os tratamentos em salão.

Recentemente dei uma entrevista para o site americano  Mane Addicts e me perguntaram quais são as tendências por aqui. Há 10 anos havia uma grande tendência em reduzir volume ou alisar, mas este cenário mudou bastante nos últimos anos. Os cabelos crespos são maioria no Brasil e grande parte das brasileiras está feliz com seus cabelos naturais. As buscas por cuidados com cabelos crespos e afros teve um crescimento muito expressivo nos últimos anos (mais de 200%).

Tudo isso é reflexo do empoderamento feminino e de uma nova postura de assumir a própria beleza, não espelhada em estereótipos.

Outra coisa que me perguntam é sobre os segredos da brasileira para cuidar dos cabelos. Ele é mais simples do que se imagina. Há ingredientes poderosos em casa! Eu mesma costumava fazer minhas primeiras alquimias com o que encontrava no quintal da minha mãe. Usava babosa para amaciar os fios, óleos para umectar. Babosa é super usada e inclusive são plantadas em vasos, quando as pessoas não têm quintal.

Foi assim, tendo essa familiaridade com diversos tipos de produtos, que comecei, misturando produtos naturais e analisando os resultados. Nossa flora é muito rica e os segredos passam de mãe para filha. Por exemplo: babosa , alecrim, manjericão, chá de goiaba , frutas como a manga , banana são usadas para tratamento de cabelos , hidratação, brilho, fortalecimento.

O chá de goiaba é super conhecido para o crescimento dos fios. Uma mistura de banana, mel e óleo de coco batido no liquidificador é muito usado para fazer hidratação. Manga, mel e óleo de amêndoas também servem para hidratação e brilho. Chá de camomila para clareamento natural dos fios. Existe um universo de possibilidades na natureza do Brasil.

Os óleos vêm fazendo muita diferença na vida das brasileiras. Desde que a Inoar lançou o óleo de argan no Brasil, temos sentido que este tipo de produto veio para ficar. O óleo é multifuncional, ele se adapta bem para diversos tipos de fios. Agora lançamos outros óleos, por exemplo o de coco, que é bastante utilizado nos cabelos cacheados e crespos, com sucesso – este é o campeão; usado antes, durante e depois da lavagem dos fios.

Os diferentes tipos de óleos têm funções multifuncionais desde o crescimento até o fortalecimento e reconstrução dos fios por conta do peso molecular. Há óleos com um poder de penetração incrível! Com tanta pesquisa, acabei escrevendo um livro somente sobre óleos e virei especialista no assunto.

Outra mudança que comemoro: as brasileiras confiam nos produtos naturais, botânicos. No Brasil, como em muitas partes do mundo, há uma imensa procura por produtos mais naturais, sem ingredientes de origem animal, sem testes em animais, os cosméticos veganos. Seja por um reflexo da dieta ou por questões ambientais e animais, a procura por cosméticos veganos nunca foi tão grande.

E, além disso, elas também confiam nos produtos com performance de salão. Como todos os consumidores, elas acreditam no que funciona e também nos produtos que têm composição livre de ingredientes que possam causar danos à saúde, ao meio ambiente, aos animais. A brasileira é engajada, e eu tenho muito orgulho de atender essa demanda!