Também morre quem atira

Também morre quem atira

Legenda da imagem:

Uma dessas crianças está segurando algo que foi banido dos Estados Unidos. Adivinha qual.

O livro “Chapeuzinho Vermelho” foi banido das escolas por causa da garrafa de vinho na cestinha. Por que não combater as armas?

Uma campanha criada pela Grey Canada para a Instituição Moms Demand Action For Gun Sense In America (Mães Exigem Ação para Senso de Arma na América).

No último dia 15 de fevereiro, o taxista Paulo Damião dos Santos, de 42 anos, foi morto após uma discussão de trânsito em João Pessoa. Casado, pai de dois filhos, o homem perdeu a vida trabalhando. Imagens gravadas mostram a briga e o terrível desfecho. Algo que durou segundos e deixou marcas para o resto de muitas vidas.

Eis a questão sobre as armas: quando elas acertam o alvo, não se pode voltar atrás.

O Brasil é campeão do ranking mundial de mortalidade por armas publicado pelo Global Burden Disease, órgão da Organização Mundial da Saúde que pesquisa as causas de morte pelo mundo.

De acordo com o estudo, homicídios são a maior causa de mortalidade em consequência de lesão por arma de fogo dos 195 países pesquisados, com 64% do total. Seguido por suicídio, com 27% das mortes, e 9% foram por disparo acidental.

De acordo com o professor de saúde pública da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, que é diretor do Centro de Pesquisa em Controle de Ferimentos, Dave Hemenway, “uma arma dentro de casa aumenta o risco de que seus moradores se envolvam em um acidente fatal. Aumenta, ainda o risco de que mulheres e crianças sejam assassinadas com uma arma doméstica.”

Na última semana, um caso chamou a atenção do Brasil. Uma mulher de 55 anos foi espancada por 4 horas por um homem que conheceu nas redes sociais. “Uma arma resolveria o caso”, eles disseram. E me pergunto como. A vítima estava dormindo e acordou com o homem esmurrando seu rosto. Coloque uma arma nesta cena e ela não estaria mais aqui para contar a história ( que pode ser conferida aqui ).

As pesquisas indicam, ainda, que os riscos e prejuízos de ter uma arma em casa supera qualquer benefício. A cada 3 dias uma criança é internada após acidente doméstico com arma de fogo.

Muitas sequer têm a chance de ser internadas, como o caso do menino de 7 anos, do Mato Grosso, que foi atingido por um tiro acidental disparado pela arma do avô. A arma, usada para caça, estava no carro e foi acionada quando a criança puxou uma sacola de plástico. A bala atingiu o peito do menino, tirando sua vida.

Nos Estados Unidos, todos os anos, 2.715 crianças morrem em decorrência de armas de fogo. É a segunda maior causa de morte na faixa etária – atrás de acidentes e à frente da soma entre os casos de câncer e problemas cardíacos. “Nossa principal conclusão é que os Estados com uma legislação mais rígida sobre armas de fogo tiveram menos crianças que morreram por armas de fogo. E as leis que mantêm especificamente as armas fora do alcance crianças também resultaram em menos mortes em geral entre as crianças, principalmente suicídios”, afirmou à BBC News Brasil a médica traumatologista Stephanie Chao, professora e pesquisadora do hospital infantil da Escola de Medicina de Stanford.

Todos esses dados comprovam que é muita ingenuidade da nossa parte acreditar que as armas são capazes de nos defender. Você pode até se defender, mas elas foram feitas para matar.

Um ótimo exemplo que fica para a nossa reflexão foi o que houve com este taxista. Uma. Briga. De. Trânsito. O corretor de imóveis que atirou não estava se defendendo de coisa alguma. Estava alterado, bêbado como estão dizendo, nervoso. Ele estava passando por alguma situação que pode ser comum a tantas pessoas que nos dias de hoje vivem sob forte stress. Com uma arma na mão. E com uma atitude que não deu a ele mesmo, nem ao taxista, obviamente, uma segunda chance.

O que as armas fazem é isso: elas matam as chances, matam as pessoas, matam vidas ao redor das vidas perdidas. É assim na excelente versão do Rappa para a música Hey Joe, de Jimmy Hendrix: “também morre quem atira”.

Quantas vezes você não teve que voltas atrás em uma decisão errada em sua vida? E se não pudesse nunca mais?

Inocência Manoel

“Mais pobres podem levar até 9 gerações para atingir renda média no Brasil”. Como uma mãe solo vive nesta realidade. Por Inocência Manoel

“Mais pobres podem levar até 9 gerações para atingir renda média no Brasil”. Como uma mãe solo vive nesta realidade. Por Inocência Manoel

A maturidade faz coisas incríveis com as pessoas. Mas, com as mulheres, é ainda melhor. O passar dos anos clareia a nossa consciência, nos livra de tabus e estigmas, dá a importância e o peso certo para cada coisa em nossa vida.

Hoje não tenho medo de abordar nenhum assunto, mesmo os pessoais. Sei que por meio deste blog, das minhas postagens e minhas palestras eu ajudo outras mulheres a enfrentarem os leões de cada dia. Mulheres se fortalecem, ajudam umas às outras quando os homens “protetores e provedores” resolvem simplesmente sumir.

Sempre valorizei a minha independência. Num tempo em que as mulheres eram criadas para casar e cuidar de casa, eu escolhi desbravar o mundo, sair da zona de conforto e desenvolver produtos. E tudo isso criando um filho sem a presença do pai.

“Mãe solteira?”, me perguntam. Não, eu sou Mãe Solo. Sempre fui e nunca gostei do primeiro termo. Maternidade não é estado civil e o estigma enfrentado pelas mães que não eram casadas é um fardo que definitivamente não precisamos carregar.

Me desdobrei com as responsabilidades necessárias para cuidar do meu filho, hoje presidente da Inoar. E contei com uma rede de apoio feminina para  chegarmos a este lugar que, acredite, não é de luxo, mas de muito trabalho e uma jornada por vezes árdua.

Nasci numa família humilde, num país em que os mais pobres podem levar até 9 gerações para atingir a renda média. De acordo com a excelente matéria do El País, que ilustra este post, e pode ser conferida aqui, um estudo sobre mobilidade social elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apontou que 35% dos filhos de pais posicionados no um quinto mais pobre do Brasil terminam a vida nesse mesmo estrato social. Além disso, apenas 7% deles chegarão a figurar entre os 20% mais ricos.

Minhas perspectivas, vamos combinar, não eram lá as melhores. Fui cabeleireira. Tive um salão. Fali algumas vezes. Falhei tantas outras. Mas era eu ali. Sem uma figura sequer ao meu lado para dividir o fardo. Me orgulho muito de ter carregado isso sozinha, porque, se as dores eram minhas, o aprendizado é meu também.

E ser mãe solo tem disso: aprender a se equilibrar entre as responsabilidades de criar um filho e continuar batalhando para viver, pagar as contas. É aprender a não dar bola para os estigmas, eles sempre vão estar ali para te lembrar que você não faz parte do padrão (sério, não se importe com os padrões). É aprender que o preconceito vai bater na sua porta todos os dias. Mas que você vai saber muito bem o que fazer com ele

Liderança Solidária Por Inocência Manoel

Liderança Solidária                                     Por Inocência Manoel

Encerro o ano de 2018 com uma grande alegria: a proximidade com as equipes que trabalham diretamente comigo nunca foi tão forte. Em um ano em que o Brasil se dividiu, eu me reencontrei comigo mesma e com colaboradores muito alinhados com minha maneira de pensar, o que me levou a ponderar sobre liderança e o papel de líder.

Antes de mais nada, é preciso refletir sobre esta palavra: líder, no meu ponto de vista, não é aquele que está à frente. Mas sim o que tem a responsabilidade por um grupo, que irá guiar e defender.

Existem diversos tipos de liderança, e cada vez mais pessoas ensinando a liderar. De acordo com o Sebrae, cada perfil de líder influencia de modos distintos o ambiente de trabalho, o comportamento dos profissionais e o desenvolvimento das atividades profissionais. O trabalho é onde passamos a maior parte do nosso dia e fazer com que as relações sejam agradáveis e promovam crescimento pessoal e profissionalmente é a função primordial de qualquer gestor.

A Liderança Solidária estabelece-se quando olhamos para o grupo que gerenciamos olhando o interesse de todos. Inclusive para fora do grupo. É analisar o cenário macro e agir desde o micro. Gerar debates e reflexões acerca de cada trabalho a ser desenvolvido abre espaço para a criatividade e motiva a equipe. Mais do que isso: faz com que cada tarefa a ser desempenhada seja genuína, autoral e reconhecida, e não apenas o cumprimento de uma meta.

O papel do Líder Solidário é se colocar no lugar do outro, é exercer a empatia no ambiente de trabalho e fora dele. Acredito que esse seja um dos principais motivos por eu estar tão conectada com meu time. Mais do que delegar tarefas, a gente as descobre juntos. E chegamos a soluções inovadoras a partir da experiência de cada um.

Minha equipe costuma dizer que quando passo um job, já o vejo finalizado e começo a pensar no próximo. É verdade, pois a Liderança Solidária resulta em Confiança. Sabemos o que esperar um do outro e esta troca simplesmente não tem preço.

foto_equipe