Sobre cair de pé

Sobre cair de pé

A vida de um empreendedor é uma luta diária. E aqui falo do empreendedorismo nato para que não romantizem a questão como ultimamente temos visto acontecer no nosso tão sofrido Brasil.

Desde minha adolescência empreendo e muito se engana quem pensa que minha trajetória sempre esteve rodeada de beleza – apesar de sempre ter trabalhado na área. Desde o início, aprendi na marra a cair, resistir e seguir. Eu aprendi e talvez hoje possa ensinar qual é a diferença entre cair e cair de pé.

Eram outros tempos e ter o meu próprio negócio estava muito mais no meu sangue do que qualquer outra profissão. Criatividade e inventividade fazem parte do meu DNA e com isso fui estudar. Sempre fui da pesquisa, adoro um bom planejamento e execução caprichada.

Isso se reflete totalmente nos produtos que desenvolvi ao longo de tantos anos para a Inoar, mas quando eu era muito nova não havia ninguém para me ensinar, então eu segui meus princípios em cada um dos negócios que já tive, que abri sem ajuda financeira de ninguém. E eles, os princípios e a educação que recebi, sempre me conduziram para este caminho: nunca abandonar minhas responsabilidades. Isso é cair de pé. Cair, quebrar, mas permanecer de pé com a cabeça erguida.

Todo mundo que se arrisca um dia cai. E o que você faz com seu tombo e a pessoa que você se torna com ele são os divisores de água da sua vida. Meu modo de fazer negócios é um só, não importa o tamanho da minha empresa: primeiro os colaboradores. Nunca tirei dinheiro para mim sem antes pagar funcionários! É uma questão de ética e moral.

Tive pequenos e médios negócios que simplesmente não foram para a frente. Vergonha nenhuma de dizer isso. Quebrei algumas vezes, fui enganada muitas. Não tenho também motivos para colocar um filtro em nenhuma história. E sabe por que? Essa jornada de erros e acertos me trouxe até aqui. Íntegra. Empregando muita gente. Salvando vidas. Aprendendo todos os dias.

Infelizmente, ter um negócio não é para todos. Hoje, com a crise, desempregados viram empreendedores. Sem conseguir retornar ao mercado de trabalho, profissionais apostam no próprio negócio, mas poucos conseguem executar um bom planejamento e compreender o mercado em toda a sua profundidade.

Empreender parece um sonho. Mas não é. Nesta vida, temos que viver com os olhos bem abertos.

Nesse processo de aprender, os erros foram bênçãos. Porque mesmo quando achamos que atingimos o topo, quem está ali embaixo lança as cordas para te puxar para baixo. Empreender é sobreviver a tudo e todos, justamente porque você sempre sabe o que pode te esperar. Mas sempre com ética, moral, seguida de compaixão por aqueles que trabalham para você.

Inocência Manoel

O que fazer com aquilo que te fizeram?

O que fazer com aquilo que te fizeram?

Todos nós temos as nossas lutas pessoais, sei muito bem disso. Os tempos andam sombrios e, com eles, descobrimos o lado negro da força de cada um.

No entanto, existe uma lição em cada situação vivida e é justamente esse processo que faz com que possamos aprender e fazer diferente.

 Em primeiro lugar, nem sempre dá para ficar calado. Expressar os sentimentos faz parte do processo de cura, então falar sempre fará bem. Essa história de engolir sapo, como vocês sabem, não ajuda. Quando você se cala, o falatório dentro de você é grande.

Quando a gente deixa pra lá, muitas vezes perde o espaço tão suado que conquistou. Não, não deixem tudo pra lá. Releva o que não tem importância, mas, se tem importância, vá até o fim.

Se expressar é mais que um direito, posso dizer que chega a ser uma dádiva. Saibamos fazer uso disso. Alguns se expressam falando, outros pela arte. Eu me expresso, muitas vezes, criando. Quantos produtos fiz que estavam querendo dizer algo? Aquilo que me fizeram, portanto, vira uma lição, vira algo novo e muito melhor.

Tudo o que venho construindo há tantos anos, no fundo, é isso: um grande recado da minha vida. Para quem quiser entender.

 Bom fim de semana.