Sobre cair de pé

Sobre cair de pé

A vida de um empreendedor é uma luta diária. E aqui falo do empreendedorismo nato para que não romantizem a questão como ultimamente temos visto acontecer no nosso tão sofrido Brasil.

Desde minha adolescência empreendo e muito se engana quem pensa que minha trajetória sempre esteve rodeada de beleza – apesar de sempre ter trabalhado na área. Desde o início, aprendi na marra a cair, resistir e seguir. Eu aprendi e talvez hoje possa ensinar qual é a diferença entre cair e cair de pé.

Eram outros tempos e ter o meu próprio negócio estava muito mais no meu sangue do que qualquer outra profissão. Criatividade e inventividade fazem parte do meu DNA e com isso fui estudar. Sempre fui da pesquisa, adoro um bom planejamento e execução caprichada.

Isso se reflete totalmente nos produtos que desenvolvi ao longo de tantos anos para a Inoar, mas quando eu era muito nova não havia ninguém para me ensinar, então eu segui meus princípios em cada um dos negócios que já tive, que abri sem ajuda financeira de ninguém. E eles, os princípios e a educação que recebi, sempre me conduziram para este caminho: nunca abandonar minhas responsabilidades. Isso é cair de pé. Cair, quebrar, mas permanecer de pé com a cabeça erguida.

Todo mundo que se arrisca um dia cai. E o que você faz com seu tombo e a pessoa que você se torna com ele são os divisores de água da sua vida. Meu modo de fazer negócios é um só, não importa o tamanho da minha empresa: primeiro os colaboradores. Nunca tirei dinheiro para mim sem antes pagar funcionários! É uma questão de ética e moral.

Tive pequenos e médios negócios que simplesmente não foram para a frente. Vergonha nenhuma de dizer isso. Quebrei algumas vezes, fui enganada muitas. Não tenho também motivos para colocar um filtro em nenhuma história. E sabe por que? Essa jornada de erros e acertos me trouxe até aqui. Íntegra. Empregando muita gente. Salvando vidas. Aprendendo todos os dias.

Infelizmente, ter um negócio não é para todos. Hoje, com a crise, desempregados viram empreendedores. Sem conseguir retornar ao mercado de trabalho, profissionais apostam no próprio negócio, mas poucos conseguem executar um bom planejamento e compreender o mercado em toda a sua profundidade.

Empreender parece um sonho. Mas não é. Nesta vida, temos que viver com os olhos bem abertos.

Nesse processo de aprender, os erros foram bênçãos. Porque mesmo quando achamos que atingimos o topo, quem está ali embaixo lança as cordas para te puxar para baixo. Empreender é sobreviver a tudo e todos, justamente porque você sempre sabe o que pode te esperar. Mas sempre com ética, moral, seguida de compaixão por aqueles que trabalham para você.

Inocência Manoel

Revolução 4.0

Revolução 4.0

2020 está logo aí e ele é o futuro. Estamos vivendo o que se chama de quarta revolução industrial (ou, se preferir, revolução dos serviços ou, ainda a revolução 4.0).

A primeira revolução veio com a invenção das máquinas a vapor e ferrovias. A segunda veio com a eletricidade. A terceira com a automação computadorizada. E a quarta, a que estamos vivenciando, acontece graças ao uso das novas tecnologias e da informação.

Não é à toa que somos testemunhas de tantas mudanças e que os governos e empresas ainda estejam aprendendo a lidar com as inovações. Mas é preciso lembrar que sem elas dificilmente iremos sobreviver.

Eu sou uma pessoa que naturalmente gosta de tecnologia. Tenho uma alta capacidade de adaptação a novas demandas e estou sempre procurando recursos mais eficientes para o trabalho. Isso é algo natural para mim.

A Inoar nasceu no mundo digital e diversas ações desenvolvidas por mim no Marketing tiveram este DNA como mola propulsora: ser digital, falar com quem está neste ambiente.

Nós trabalhamos com dados deste cenário desde sempre e não é à toa que tomei sempre as decisões mais assertivas ao lançar produtos. Sou próxima dos meus consumidores e nunca bastou que eles conhecessem a marca. Antes de mais nada, eu preciso conhecê-los também. Em tempo real.

Da mesma forma que sempre trabalhei com esta agilidade, não tenho medo algum de mudanças. Especialistas apontam que o mercado deve passar por mudanças profundas nos próximos anos e estou preparadíssima para elas.

Quando ocorre uma grande mudança no processo industrial por causa de uma série de inovações tecnológicas há impactos globais nos âmbitos social, econômico e político. Você certamente tem ouvido falar dos termos startups, internet das coisas, big data, entre outros. Tudo isso que parecia o futuro está acontecendo agora.

E como fica a nossa vida neste futuro acontecendo em tempo real? Temos que estar mais aptos a desenvolver habilidades como resolução de problemas, trabalho em equipe, empreendedorismo, orientação à mudanças e, além de tudo, a capacidade de aprender continuamente, porque os algoritmos mudam a cada dia.

Se por um lado tenho este DNA da mudança rápida para seguir um mercado que não para, é importante lembrar que o lado humano vai ser sempre o nosso real propósito.

Para mim, a pessoa que tiver a competência de se articular através de relacionamos humanos, em um mundo cada vez mais tecnológico, já compreendeu tudo.