Colaboradores na vida real

Colaboradores na vida real

Não é de hoje que a Inoar abre a discussão para a inclusão social no mercado de trabalho. Somos uma indústria de cosméticos que vê a beleza muito além dos estereótipos que a mídia vende. Nós acreditamos nas pessoas de verdade e elas são as mais diversas possíveis.

Todos os anos, em nosso Congresso, abrimos um painel da Representatividade para ouvir um pouco a voz de quem tem história para contar. Negros, portadores de necessidades especiais, público LGBTS, refugiados, dentre outros grupos que trazem experiência e devem se ver, cada vez mais representados por nós, uma marca da vida real.

Acho incrível o movimento das empresas de falar sobre inclusão, mas o assunto aqui não é novo. Desde que a Inoar foi fundada, seu propósito foi abraçar a todos. Não à toa, em 2015, lançamos a campanha #Diferente com a atriz Tathiana Piancastelli, que tem síndrome de Down, e Maiara Barreto, atleta paraolímpica.

A campanha foi destaque no Brasil e também na mídia internacional, destacando sua importância e inovação, contando um pouco da história das nossas modelos e do quanto foi importante escolhê-las.

Campanha #Diferente no site Movimento Down: (Clique Aqui) 

Campanha #Diferente no site australiano Starting With Julius: (Clique Aqui)

A ideia da Inoar de ressaltar a beleza da diversidade e a importância da inclusão social em suas campanhas publicitárias, destacando em sua comunicação pessoas com deficiência e diferentes perfis, nasceu para torná-las protagonistas também na publicidade, de forma que sejam inseridas, cada dia mais, sem preconceitos.

Não dá pra fazer a diferença fazendo mais do mesmo. E este jeito de pensar não pode ficar da porta pra fora, ele também é um reflexo do que acontece aqui dentro.

Um exemplo é a questão das vagas de emprego para trabalhadores em idade mais avançada, excluídos do mercado formal e que mais têm sofrido com o fechamento de vagas com carteira assinada, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Em agosto de 2018, enquanto a faixa etária até 39 anos criou mais de 140 mil vagas, 37 mil postos foram fechados para pessoas acima de 50 anos.

Pensando nisso, e tendo em vista que um ambiente de trabalho que mescle perfis diferentes e complementares tende a se tornar mais equilibrado, criei para a Inoar o Projeto Mais Sessenta, com o foco na contratação de colaboradores com mais de 60 anos.

Esta não é uma ação de filantropia. Esta contratação é feita da mesma forma que as outras. Acreditamos na força real de trabalho das pessoas com mais de sessenta anos, no seu comprometimento e na experiência sem igual que elas têm para agregar.

Os ‘sessentões’ são um contraponto para a ousadia dos jovens, as duas coisas equilibradas fazem um ambiente de trabalho ideal.

Em 2016, a revista americana Modern Salon destacou essa história: (Clique Aqui)  

Uma de nossas colaboradoras mais antigas, Cleide Horta, nos deu seu testemunho na semana passada e são suas palavras que me fazem acreditar que, sim, a Inoar nasceu diferente para que faça parte da vida de cada um:

“(…) São oportunidades de fazer parte do quadro de funcionários de uma empresa que viu você envelhecer sem te rotular. Ou seja: não te impôs limites e deixou você correr atrás dos seus sonhos, para novos desafios.”

A Inoar sempre foi pioneira de falar da beleza e não podia ser diferente ao contratar seus colaboradores. A vida real tem rugas, tem cadeira de rodas, óculos, sardas, manchas, cicatrizes – e muitas histórias para contar.

Inocência Manoel

#inclusao #acessibilidade #amor #inclusaosocial #deficientes #transgender #lgbt #gay #trans #pride #lgbtq #loveislove #pracegover #maturidade #downsyndrome #specialneeds #sindromedown #maissessenta  #paraolimpiada #vidareal

“Mais pobres podem levar até 9 gerações para atingir renda média no Brasil”. Como uma mãe solo vive nesta realidade. Por Inocência Manoel

“Mais pobres podem levar até 9 gerações para atingir renda média no Brasil”. Como uma mãe solo vive nesta realidade. Por Inocência Manoel

A maturidade faz coisas incríveis com as pessoas. Mas, com as mulheres, é ainda melhor. O passar dos anos clareia a nossa consciência, nos livra de tabus e estigmas, dá a importância e o peso certo para cada coisa em nossa vida.

Hoje não tenho medo de abordar nenhum assunto, mesmo os pessoais. Sei que por meio deste blog, das minhas postagens e minhas palestras eu ajudo outras mulheres a enfrentarem os leões de cada dia. Mulheres se fortalecem, ajudam umas às outras quando os homens “protetores e provedores” resolvem simplesmente sumir.

Sempre valorizei a minha independência. Num tempo em que as mulheres eram criadas para casar e cuidar de casa, eu escolhi desbravar o mundo, sair da zona de conforto e desenvolver produtos. E tudo isso criando um filho sem a presença do pai.

“Mãe solteira?”, me perguntam. Não, eu sou Mãe Solo. Sempre fui e nunca gostei do primeiro termo. Maternidade não é estado civil e o estigma enfrentado pelas mães que não eram casadas é um fardo que definitivamente não precisamos carregar.

Me desdobrei com as responsabilidades necessárias para cuidar do meu filho, hoje presidente da Inoar. E contei com uma rede de apoio feminina para  chegarmos a este lugar que, acredite, não é de luxo, mas de muito trabalho e uma jornada por vezes árdua.

Nasci numa família humilde, num país em que os mais pobres podem levar até 9 gerações para atingir a renda média. De acordo com a excelente matéria do El País, que ilustra este post, e pode ser conferida aqui, um estudo sobre mobilidade social elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apontou que 35% dos filhos de pais posicionados no um quinto mais pobre do Brasil terminam a vida nesse mesmo estrato social. Além disso, apenas 7% deles chegarão a figurar entre os 20% mais ricos.

Minhas perspectivas, vamos combinar, não eram lá as melhores. Fui cabeleireira. Tive um salão. Fali algumas vezes. Falhei tantas outras. Mas era eu ali. Sem uma figura sequer ao meu lado para dividir o fardo. Me orgulho muito de ter carregado isso sozinha, porque, se as dores eram minhas, o aprendizado é meu também.

E ser mãe solo tem disso: aprender a se equilibrar entre as responsabilidades de criar um filho e continuar batalhando para viver, pagar as contas. É aprender a não dar bola para os estigmas, eles sempre vão estar ali para te lembrar que você não faz parte do padrão (sério, não se importe com os padrões). É aprender que o preconceito vai bater na sua porta todos os dias. Mas que você vai saber muito bem o que fazer com ele