Mensagem de agradecimento

Mensagem de agradecimento

Em tempos tão difíceis, é preciso agradecer o apoio, o trabalho e o carinho das pessoas que, literalmente, salvam vidas.
Quero tornar pública a minha gratidão àqueles que ofereceram todo o suporte no atendimento ao meu irmão, que no último fim de semana sofreu um grave AVC.

Ele estava em outra cidade, sem acesso a hospitais da rede particular, em uma situação de muita gravidade. Foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Emergência local e levado a um hospital público. Precisou ser removido para a UTI mais próxima e novamente foi o Sistema de Saúde brasileiro que o socorreu.

Graças a apoio de amigos, a quem irei agradecer pessoalmente, tive a orientação necessária para saber que meu irmão estava sendo bem cuidado – mesmo eu estando longe.

E com isso, especialmente no momento que estamos vivendo com uma pandemia mundial, é preciso agradecer ao SUS, que está na frente da batalha. De tantas batalhas, de pessoas com nome e sobrenome que, se não são o meu irmão de sangue, são irmãos e irmãs de alguém.

O SUS não é só um sistema de saúde, ele é proteção social e acesso universal sem discriminação. Um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo, o nosso garante que todos os brasileiros e brasileiras, desde o nascimento, tenham direito aos serviços de saúde.

Seu inicio se deu nos anos 70 e 80, quando diversos grupos se engajaram no movimento sanitário, com o objetivo de pensar um sistema público para solucionar os problemas encontrados no atendimento da população defendendo o direito universal à saúde.

Hoje, graças ao SUS, conquistamos uma série de avanços para a saúde do brasileiro, por exemplo o Programa Nacional de Imunização (PNI), responsável por 98% do mercado de vacinas do país.

Quem cuida das pessoas é o Estado. Quem cuidou do meu irmão num dos momentos mais delicados de sua vida foi o SUS.

Quem está cuidando de tantos outros irmãos e irmãs hoje é ele também.

Viva o SUS.

“Chore no começo para sorrir no fim.”

“Chore no começo para sorrir no fim.”

“Chore no começo para sorrir no fim.” Essa foi a frase que a jogadora Marta, da Seleção Brasileira de Futebol, nos deixou na última semana, após a eliminação na Copa do Mundo.

O desabafo da jogadora tem tudo a ver com a importância da nossa força feminina para vencer os obstáculos.

Não se chega a lugar algum sem esforço, sem muito suor, e esta é uma verdade universal. Para as mulheres, é ainda preciso ser mais forte.

Quando eu era criança, não havia notícias de mulheres jogando bola. Certamente elas seriam discriminadas – como muitas são até hoje. Foram necessários anos de verdadeiras desbravadoras abrindo os caminhos para as que chegaram hoje a uma Copa feminina, que teve a maior audiência de todos os tempos. E ainda assim houve quem dissesse: “mas mulher não deveria jogar futebol.”

Esse mesmo discurso, pare para pensar, já foi dito a outras atividades que a gente teve que conquistar na unha. Ser empresária é uma delas. Por mais que eu viva no mundo dos cosméticos, da beleza, ele ainda é um universo em que muitos homens querem dar a palavra final.

Estou neste caminho há tempos. Nós, mulheres, estamos. Abrindo caminho para muitas que vieram atrás. E é preciso muita parceria para continuarmos nele. Precisamos ser um verdadeiro time.

Marta encerrou sua entrevista dizendo: “é preciso valorizar mais”. E eu estou com ela: valorize quem foi na frente. Valorize quem tem a ensinar. Valorize as mulheres que não se acovardaram.

Valorize quem perdeu noites de sono para ganhar aquilo que, no fundo, é o que você quer também.