A volta por cima. Quando é que ela vem?

A volta por cima. Quando é que ela vem?

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á.

Pois todo o que pede recebe; e o que busca encontra; e a quem bate abrir-se-lhe-á. Ou qual dentre vós é o homem que, se porventura o filho lhe pedir pão, lhe dará pedra?”
Mateus 7:7-9

Os dados estão aí em todos os noticiários: 13 milhões de brasileiros estão desempregados nesta crise que parece não ter fim. Mas há números ainda mais alarmantes no cenário nacional: a população subutilizada atingiu 28,4 milhões, número recorde da série histórica iniciada em 2012.

De acordo com o IBGE, o grupo de trabalhadores subutilizados reúne os desempregados, aqueles que estão subocupados ou fazendo bicos (menos de 40 horas semanais trabalhadas), os desalentados (que desistiram de procurar emprego) e os que poderiam estar ocupados, mas não trabalham por motivos diversos, como mulheres que deixam o emprego para cuidar os filhos.

Eu já passei por algumas destas situações, não tenho vergonha de admitir. Fez parte da minha realidade, como faz parte da vida de tantos agora. Por isso posso dizer que sei na pele o que é não ter certezas sobre o amanhã.

Como já contei aqui no blog e em minhas palestras, meu destino era outro, não fosse a grande virada que veio com muito trabalho e resiliência.

A palavra é esta: resiliência. Seu significado é: capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças.

E neste momento complicado que o país atravessa, me solidarizo com tantos que talvez possam não estar vendo um caminho, mas acreditem: não podemos perder a fé. Tudo passa. Os dias bons e os ruins também. Tudo, tudo, está em constante movimento e certezas são voláteis no ar. A gente precisa encarar toda mudança como um ajuste na rota. Eles são necessários sempre.

É neste momento que precisamos ampliar nossas redes de contatos, procurar alternativas, pensar fora da caixa. Existem cursos gratuitos que talvez você não tenha percebido quando trabalhava. Existem ferramentas digitais aos montes que colocam você em contato com profissionais da sua área. Vejam o que o LinkedIn, o Coursera e tantos outros canais oferecem para você passar por essa fase de forma ativa, aprendendo sempre.

Não esqueça nunca de se valorizar. Você vale todo o conhecimento que investiu em sua carreira e nenhuma empresa oportunista pode se aproveitar disso para oferecer menos do que você vale. Não tema as entrevistas. Sua experiência será levada em conta, prepare-se para este momento.

Estamos atravessando a maior crise que eu tenho notícia, e não quero de forma alguma romantizar a dificuldade destes dias. Apenas dar o meu testemunho de que a volta por cima virá. Com bons contatos, qualificação e fé, ainda vamos olhar para este tempo e ver o quanto ele foi importante para nossa resiliência.

Inocência Manoel

Nossas heranças capilares

Nossas heranças capilares

 Nosso DNA diz muito sobre quem somos e você certamente se surpreenderia se soubesse que estamos muito mais conectados com outros povos e outras culturas do que a gente mesmo acredita.

Seu cabelo, sua cor de pele, dos olhos, tudo veio de outras gerações e ancestrais. É importante conhecer nossas raízes para, sobretudo, respeitá-las, admirá-las e termos mais empatia uns com os outros.

Eu tenho, particularmente, uma grande paixão pelos povos africanos. Quando visitei o país, fiquei encantada também por seus cabelos e descobri que não foi à toa.

De acordo com o Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 45% dos brasileiros descendem de africanos. Por isso, há muitas semelhanças.

Nós estamos diretamente ligados e nossos cabelos são prova disso.

Na semana passada, a revista Glamour da África do Sul divulgou esta matéria sobre minha trajetória e a da Inoar. É orgulho que fala?

Capa Glamour

Glamour hair

Bastidores de uma vida empreendedora. Capítulo 2: Um leão por dia

Bastidores de uma vida empreendedora.  Capítulo 2: Um leão por dia

Vou continuar esta série de posts falando hoje sobre um tema muito delicado: a romantização do empreendedorismo e as ciladas que você pode encontrar pelo caminho (para quem não leu o capítulo anterior, Clique aqui.)

Em tempos difíceis que o Brasil vem enfrentando, com mais de 13 milhões de desempregados neste ano de 2019, as incertezas da previdência e o medo do futuro vêm fazendo o empreendedorismo por necessidade voltar a crescer.

Negócios surgem na crise, negócios surgem dos sonhos, mas é muito importante ter os pés no chão, em qualquer caso.

Trago verdades: não é de agora, eu sempre percebi as pessoas encantadas com minha trajetória, como se o sucesso fosse algo mágico e certeiro. Ele não é. É preciso “matar um leão por dia” e haverá muitos dias em que você terá a plena certeza que não chegou a lugar algum.

O mundo da beleza não é lindo. Ele é cheio de concorrência, de pessoas tão ávidas por dinheiro, que muitas vezes farão qualquer negócio para chegar lá. Isso, para mim, não é empreender.

Esse mundo passa a impressão de luxo, de glórias e mordomias. Gente, isso não existe. Não temos hora para nada, é trabalho o tempo todo. E isto não é uma reclamação. Mas um ponto em que é preciso pensar. Você realmente tem vocação para isso? Para fazer concessões? Para ser julgado?

Mulher de sucesso, mulher empoderada, guerreira. Não romantizem a nossa sobrecarga. É praticamente impossível dar conta de tudo. Eu saí do zero, sem uma família que tivesses recursos para me ajudar. Tive que fazer escolhas e concessões, sim.

Hoje as redes sociais mostram uma realidade que não existe. A mulher-maravilha perfeita que acorda cedo, vai à academia, tem uma carreira brilhante, diploma no exterior, participa da vida dos filhos, cozinha maravilhosamente bem, está com a pele e a depilação em dia existe só no Instagram (e provavelmente foi desconstruída nos comentários). A gente é uma ou duas coisas por dia, e olhe lá. Faz parte do jogo.

Você só consegue organizar a sua rotina quando estiver bem estabelecida nos negócios. Mas ainda assim vem outra batalha: manter-se onde você chegou.

Você está disposto a sacrificar seus finais de semana, suas horas de lazer para empreender?  Você tem forças para suportar as rasteiras e conspirações do dia a dia?  Você está pronto para acompanhar tendências que não param? Você vai acompanhar o ritmo da tecnologia?

Para as mulheres: como você vai lidar com o machismo neste mundo que ainda nos coloca em segundo lugar?

Você está pronto para sobreviver como empresário no Brasil? Com esta crise que nos deixa em uma eterna insegurança? Com um governo que nos massacra todos os dias?

Ter um negócio é um vale-tudo. Eles vão usar todas as armas. Ser empreendedor é uma guerra infinita e sem descanso.

Desculpe a sinceridade. Hoje precisei derrubar alguns mitos. E coloquei propositalmente o questionamento neste post para que muitas pessoas vejam as coisas sob um outro prisma, com uma boa dose de realidade.

É preciso ser forte todos os dias, mesmo quando você quer desabar. Nestas horas eu paro, penso, respiro, tomo fôlego e parto para a luta de novo. Esta é a minha vocação, então está tudo bem.

Inocência Manoel

Inoar Cosméticos recebe prêmio internacional de gestão empresarial

Inoar Cosméticos recebe prêmio internacional de gestão empresarial

Empresa trabalha suas diretrizes para reforçar os objetivos de desenvolvimento sustentável

São Paulo, 15/5/2019 – A Inoar Cosméticos recebeu na noite de ontem (14) o “Prêmio Empresa Brasileira do Ano 2019” pelo Latin American Quality Institute (LAQI).

O título foi concedido a empresas conscientes sobre o papel que interpretam no mundo empresarial e a responsabilidade que suportam na geração de oportunidades para o desenvolvimento da sociedade.

“Para alcançar a Qualidade Total Empresarial, as empresas devem estabelecer objetivos de triplo impacto (Econômico-Social-Ambiental) e nesse sentido capacitaremos cada líder empresarial de nossa rede a aplicar uma gestão responsável que impacte na sociedade e contribua, ao mesmo tempo, para alcançar o objetivo mundial proposto pela ONU para 2030”, declarou o CEO & Founder da LAQI, Daniel Maximilian da Costa, DHC.

A Inoar, empresa fundada por Inocência Manoel e Alexandre Nascimento, é signatária do Pacto Global, e tem como parte de suas estratégias, da cultura e das operações cotidianas os Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, em total sinergia com o modelo de excelência do Latin American Quality Institute.

De acordo com Inocência Manoel, “todas as ações práticas que a Inoar vem desenvolvendo ao longo dos anos, além de estarem alinhadas com os princípios estabelecidos pelo Pacto Global, são consequência dos valores que a empresa tem desde sempre, voltadas para os Direitos Humanos, Trabalho, Meio Ambiente e Luta Contra a Corrupção. E o Prêmio Empresa Brasileira do Ano 2019 é consequência da nossa forma de pensar e de agir.”

A premiação, realizada frente a importantes líderes empresariais nacionais,  aconteceu na sede da Fecomércio, em São Paulo.

Sobre a Inoar

Empresa brasileira referência no mercado nacional e internacional, a Inoar Cosméticos traz em seu DNA a essência de seus fundadores: a criação de produtos inovadores pelo olhar único de Inocência Manoel, Diretora de Marketing e Criação, e a administração dos negócios de Alexandre Nascimento fazem da Inoar uma marca de cosméticos inspirados em vários tipos de pessoas, com inovação, tecnologia de ponta e o know-how de quem entende as necessidades de profissionais e consumidores finais.

Inoar

http://www.inoar.com

Facebook: InoarBrasil

Instagram: @InoarBrasil | belezasolidaria.inoar

Tel.: (11) 4135-4555

 

Bastidores de uma vida empreendedora. Capítulo 1: Coaching

Bastidores de uma vida empreendedora.  Capítulo 1: Coaching

Se eu pudesse dar uma dica sobre empreendedorismo a vocês, seria: fuja dos coaches que nunca empreenderam nada e estão ganhando dinheiro às custas daqueles que acreditam em fórmulas mágicas.

Isso não existe. E é simples assim.

Existem trabalhos de coaching sérios? Claro que sim. Como em todas as áreas. Mas, infelizmente, em sua grande maioria, a coisa tomou outra proporção que a gente não sabe se ri ou se chora, tamanhos os absurdos que tenho visto por aí.

A ideia, no princípio era boa. Muito boa. De acordo com a revista Exame, “O coaching era usado como apoio ao processo de desenvolvimento das pessoas efetivamente.”  Por meio de metodologias, um profissional habilitado (o coach) tem como objetivo elevar a performance de indivíduos ou empresas. Para isso, é preciso saber, são necessários anos de estudos em ciências do comportamento, negócios, lideranças, empresas, mercado, para a própria formação do coach.

O problema é que, toda vez que surgem cases de sucesso eles vêm seguidos de oportunistas que vão te fazer acreditar que para empreender, ter sucesso e ficar rico basta participar daquela palestra. Mesmo que naquela palestra eles obriguem você a ficar em pé gritando “Uhhuuu” ou fazendo alguma dancinha louca com finalidade motivacional. Não. Isso não funciona.

Estamos na era do conhecimento e, ao mesmo tempo, com uma grande ameaça ao conhecimento. Eu tenho muito orgulho das universidades estaduais e federais no nosso país. Só nesta semana, três notícias me fizeram ter vontade de bater palmas:

– Alunos da USP ganham prêmio com software que calcula risco de doenças crônica (Confira aqui).

– UFMG cria espuma que absorve agrotóxico da água e dos alimentos (Confira aqui).

– Aparelho de pesquisadores da USP consegue zerar dor da fibromialgia (Confira aqui).

Pode clicar nos links e ler. Todo mundo precisa se informar sobre quão importantes são os projetos científicos do nosso país (com tristeza, ameaçados pelos corte a pesquisas das universidades).

E é disso que estou falando: o conhecimento, meus amigos, é profundo. Se você quer fazer alguma coisa, se você quer empreender, precisa ir no fundo.

No raso, ficam as fórmulas mágicas, as palestras de líderes de torcida e uma massa doida para acreditar em gurus, mentiras e fake news.

Muito cuidado: em tempos sombrios, em que o conhecimento se torna uma ameaça, você corre o sério risco de se formar na Universidade do WhatsApp.

Inocência Manoel

Empreendedorismo. Existe uma fórmula para chegar lá?

Empreendedorismo. Existe uma fórmula para chegar lá?

Já tem um tempo que a palavra empreendedorismo está em alta. Em um país em que as leis trabalhistas e a crise econômica não favorecem o trabalhador, é cada vez maior o número de pessoas que querem ter seu próprio negócio. E isso criou um novo nicho de mercado: o das palestras e das receitas “infalíveis” sobre o empreendedorismo.

O que você precisa saber é que não necessariamente a palavra tem a ver com ter um negócio ou ser um empresário.

“Segundo o teórico Joseph Schumpeter, o empreendedorismo está diretamente associado à inovação. Para Schumpeter, o empreendedor é o responsável pela realização de novas combinações, como a introdução de um novo bem, método de produção ou comercialização e até a abertura de novos mercados. Isso significa que ‘a essência do empreendedorismo está na percepção e no aproveitamento das novas oportunidades no âmbito dos negócios’”.

Você pode empreender em diversos setores da sua vida e do que você faz. Empreendedorismo, sobretudo, não é uma receita pronta. Apesar de eu acreditar em muitos líderes e admirar histórias sobre inovação, não acredito em temas como “10 lições para ser um empreendedor.” Porque, antes de mais nada, quem quer inovar precisar ter espírito crítico e ter vontade de fazer algo realmente diferente. Precisa de inspiração e transpiração, mais do que fórmulas mágicas.

Aliás, para empreender, sobretudo, é preciso muita transpiração. É muito trabalho, dia e noite. E aí não adianta só a inspiração. É mão na massa, é resiliência, é sobre você saber cair e levantar. É aguentar os trancos, pensar rápido e não desistir. E, como tudo, é um processo de aprendizagem, que não vem do dia para a noite.

Por conta da minha história e de como a Inoar nasceu, não são poucos os convites para que eu narre a minha experiência. E, de fato, eu gosto muito deste contato com o público. Já foram inúmeras as palestras que dei, tanto no Brasil, como no exterior, e nelas procuro lançar um olhar verdadeiramente novo, fora do comum, para as mais variadas plateias. Acabam saindo boas surpresas nesses eventos.

Porém não é raro também receber convites para que eu me apresente em grandes palcos de encontros de líderes com um detalhe: pagando altas taxas pelo espaço promocional. Para estes convites eu digo não. Não me convidem se for assim. Eu realmente prefiro usar o dinheiro de uma inscrição desta nos meus projetos sociais, nas ONGs parceiras e que são tão carentes de ajuda da sociedade (esta mesma que promove festas caras para a elite).

Gosto do contato com os mais variados tipos de pessoas e é justamente por isso que prefiro colaborar com quem realmente precisa em vez de me promover em palcos refinados.

Eu quero promover o bem-estar e não a minha imagem. Quero ser inspiração verdadeira, e não mais um clichê. O empreendedorismo para mim sempre foi sinônimo de trabalho feito com afinco e voltado para trazer melhorias para as pessoas, com inovação. E esta lição somente pode ser dada a partir da premissa de que não basta fazer mais do mesmo.

Qual é a data do seu renascimento?

Qual é a data do seu renascimento?

Eu tenho um baita orgulho da minha idade e da minha história de vida. Não porque tenha chegado onde cheguei, mas por causa do caminho. E porque, afinal, temos que ter orgulho daquilo que nos tornamos.

Gabrielle Chanel dizia: “já não sou o que era, devo ser o que me tornei”, sobre as nossas transformações. Autêntica self-made woman, ou seja, aquela mulher empreendedora e independente, graças a ela, podemos usar roupa esporte, cabelos curtos, bijuterias e, claro, um bom perfume, para sermos aquilo que quisermos.

Tenho pensado muito nessas mulheres chamadas de loucas e quando teria sido o dia em que elas mudaram tudo, viraram o jogo. Talvez este seja um dia para celebrar. Ora, se comemoramos todos os anos nosso aniversário, porque não cantar parabéns para o dia em que você renasceu?

A Páscoa, período em que os cristãos celebram a ressureição de Cristo, foi o momento ideal para a reflexão.

Eu posso dizer que renasci em 2018. Está estampado em meu rosto, celebrado na nova cor dos meus cabelos, que dizem muito sobre quem eu sou.

Junto com essa mudança pessoal, veio uma mudança muito grande refletida no meu trabalho, nas criações da Inoar.

Em outras palavras, a Inoar também renasceu. Uma mudança gigante vem sendo implementada por meu time desde então, com novas cores, novos layouts de embalagens, lançamentos nacionais e internacionais. A Inoar mostrou sua cara para o mundo.

Conta a mitologia grega que a ave uma ave de penas douradas chamada Fênix morria e em seguida entrava em autocombustão. Passado algum tempo renascia das próprias cinzas. Outra característica da Fênix é sua força para carregar as mais pesadas cargas.

Me senti assim: tendo que morrer e renascer. E, neste sentido, a Inoar veio comigo. Renasci da força que preciso ter para enfrentar diariamente aqueles que querem me derrubar. Renasci de conspirações para me tirar do meu próprio sonho e de tudo o que construí com tanto trabalho. Me transformei a partir de desilusões. Mas me fortaleci na fé, na paz de espírito que venho sentindo ao me encontrar comigo mesma. Isso é empoderador!

O meu renascimento tem uma data: 15 de fevereiro de 2018. Este é o dia que tudo mudou. Inoar não é mais a mesma. Ela vem comigo neste renascimento, que começou quando podia ter sido o fim. Mas isso fica para um próximo post.

“A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos Exércitos.” (Ageu 2:9 a)

Post_Ino_antedepois

Post_Produto_antedepois